Mortes por Covid caem 84% na primeira quinzena de março no Ceará

Casos confirmados da doença também tem queda expressiva depois da alta transmissão observada no início do ano

Escrito por Lucas Falconery, lucas.falconery@svm.com.br

Ceará
Cemitério
Legenda: Março dá sequência à queda de casos e de mortes pela doença no Estado
Foto: Kid Júnior

As complicações da Covid levaram 65 pessoas à morte na primeira quinzena de março no Ceará - registro 84,4% menor em comparação com os primeiros 15 dias de fevereiro, quando 418 vidas foram perdidas. Essa queda acompanha a redução de casos confirmados da doença após alta transmissão observada no início do ano no Estado.

Os diagnósticos positivos para a Covid passaram de 21.271, no recorte quinzenal do último mês, para 1.072 no período atual. Isso representa um declínio de 95% nas confirmações. Os dados são da plataforma IntegraSUS, da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa).

Os casos confirmados seguem tendência de queda quando comparados também com a primeira metade do mês de janeiro: só naquele momento foram 110.262 confirmações da doença. Na época, 230 pacientes morreram por causa da Covid.

Com a queda no número de casos e de óbitos, também há menor procura por exames para identificação do coronavírus. Janeiro começou com 165.640 testes, enquanto fevereiro notou 114.195 exames. Em março, esse número caiu para 17.319.

Entre os reflexos do contexto epidemiológico atual, avança a proposta para a flexibilização da obrigatoriedade do uso de máscaras em ambientes abertos no Estado.

O cenário de menor transmissão observada nesse momento também se reflete na baixa pela procura por unidades de saúde. Atendimentos por Covid e síndromes gripais caem mais de 80% em UPAs de Fortaleza.

“Com a vacina, os casos ficaram menos graves, e as pessoas que adoeceram não sentiram necessidade de ir para a UPA, porque não tinha urgência”, explicou a infectologista Mônica Façanha em entrevista ao Diário do Nordeste.

O reforço da vacina e as medidas de prevenção da doença permanecem como relevantes para evitar novos crescimentos de casos

“A gente precisa nesses dias de observação ter esses cuidados, ficar atento para ver se realmente os atendimentos não aumentaram e torcer para não aparecer nenhuma cepa nova resistente a vacina", concluiu.

Assuntos Relacionados