Cena musical de Fortaleza vive momento fértil com o estilo trap e busca espaço no mercado nacional

Repleta de talentos e ligada a diferentes ramificações sonoras do rap, o trabalho coletivo é uma das ferramentas de batalha nesse jogo

Becka Nizers/Negocassio/Carmen Camaleonte/Doiston
Legenda: Becka Nizers/Negocassio/Carmen Camaleonte/Doiston

Vidas de rima e luta. A música e os 23 anos de batalha de RAPadura Xique Chico foram reconhecidos pelo Grammy Latino. Matuê estreou bem com o álbum "Máquina do Tempo" e atingiu o topo nas plataformas de streaming. Don L refirma seu espaço no mercado nacional e integra o time de peso convocado por Marcelo D2 para o disco "Assim tocam os MEUS TAMBORES". Cada um destes cearenses com estrada e uma arte própria.

Estes feitos individuais reverberam uma expressão cultural que resiste nas periferias do Ceará. O rap, hip hop, funk, bem como as suas inúmeras ramificações como trap, boom bap, brega funk, estão nas muitas "cidades" que coexistem em Fortaleza. Dança, grafite, vídeo, poesia, entre outras manifestações, pavimentam uma juventude que tem voz e anseia por melhores dias.

A sucessão de lançamentos reafirma este cenário. "Veterano", de Nego Gallo, fez seu espaço entre os melhores discos do ano passado. 2020 começou com Jonas de Lima entregando o EP "Sob O Sol No Jardim Do Diamante".

Em maio, a "Coletânea Digital Sound CE" reuniu músicos do interior e da Capital. A empreitada foi promovida pelo Produtos do Morro Rec - plataforma de lançamentos e distribuição de singles, videoclipes e revelação dos novos talentos - organizada pelo rapper e produtor musical Erivan Produtos do Morro.

Ganhando o Brasil

A estrada de Doiston segue intensa. Em três anos, o rapper produziu 16 singles e sete clipes. A luta no cenário musical ainda conta com os EPs “Filosofia do Crush” e “É Sal”. Outro importante passo na carreira está próximo do músico cearense. Ele acaba de ser selecionado para o “Real Trap BR”, evento promovido como o primeiro reality show do hip hop nacional. A votação é online e o programa que reúne as estrelas do trap brasileiro tem previsão de estreia em novembro.  

O início da caminhada de Doiston se liga à história da Frutos Ent. O selo encerrou as atividades em 2019, mas deixou um legado de apoio a nomes da cena local. Delabraga, General VilãoNara Hope, Nego Gallo, Jonas de Lima e Assun foram alguns dos nomes que passaram pela iniciativa que contava com o trabalho do produtor Edgar Marques (Raiz Records). 

Da safra de singles, “Deuses Negros“ trouxe parceria com Gallo. Os mais recentes foram “Dedicatória”, “Fortalcity” e “Desabafor PT1”. Letras incisivas, somadas ao contexto social que o trapper cresceu.  “Pra ser ainda mais profundo nessa ideia, me envolvi realmente com o rap, quando vi que daria certo, foi quando muitas pessoas vieram me dizer para eu investir no meu som”, aponta. 

Produção 

Mesmo com a realidade inacessível, sem recursos para gravar suas rimas, Doiston não se intimidou e “foi pra cima”, como ele descreve. Além da participação no reality show que investe nos artistas trap do Brasil, a expectativa é manter o fluxo de singles no mercado.  

“O momento ainda não é para um disco cheio. Preciso trabalhar o meu público, expandir o meu alcance e fazer com que outras pessoas conheçam. Lançar singles e fazer parcerias. Para que a entrega do álbum seja algo realmente valioso e tenha quem consuma esse disco”, explica. 

Doiston argumenta que a cena trap local batalha para conquistar seu espaço. Falta incentivo e espaços que acolham os artistas, desenvolvendo, assim, um circuito sobre arte, rap, grafite e cultura hip hop em geral. “Ser artista independente é correria. Temos que fazer todo o trabalho que uma grande empresa de música, uma gravadora realiza, só que sozinho”, descreve. 

Durante a entrevista, o músico cita nomes como Leviano, JC, West Reis e o Manicômio Beats. Turma que produz e também busca espaço no mercado. Doiston reflete que o artista independente precisa estudar, investigar as possibilidades da indústria, por exemplo, como funciona a dinâmica das plataformas digitais.  

“Nosso cenário musical é muito rico. Do rap ao reggae. A cena fortalezense é muito forte na arte. O que falta é um incentivo maior, para alavancar a produção de vários profissionais da nossa cidade e do Estado”, analisa Doiston. 

União que transforma

Lançar um single, um clipe, fazer circular esse som exige uma entrega intermitente. São vitórias e o esforço dos coletivos prossegue como uma valiosa ferramenta. A C2F Records vem construindo pontes entre comunidade e artistas. Surgiu no bairro Vila União e hoje atua no Jangurussu. Mateus da Silva e Gabriel "Ardack" Dias tocam esse sonho.

"Hoje o nosso maior objetivo é conscientizar. Mostrar o caminho de que o sucesso chega com o trabalho", descreve o produtor Mateus da Silva. As estratégias de trabalho incluem aproximar profissionais de diferentes áreas. Dança, audiovisual e fotografia. Cada vez mais, os rappers buscam estudar e evoluir em todas as etapas de criação de um trabalho.

Divulgação à criação

"Depois que nos mudamos para o Jangurussu, senti na pele isso. Me apaixonei pela galera daqui. Trocamos muitas ideias. Da importância do artista dialogar com o produtor, de se interessar pelos processos de produção", descreve Mateus.

Esse caráter de fundir diferentes plataformas e expressões é perceptível nos recentes trabalhos da C2F Records. Um exemplo foi Becka Nizers, que chegou no fim de agosto com o clipe do single "Uma Pisciana". Ela assina a composição. O beat foi de Manga Roxa e a mix/master, de Ardack. A captação sonora da C2f Records casou com o vídeo assinado por Leo Silva (desconectaoleo) e conta com coreografia da bailarina MariaJu Marques.

Investir em artistas LGBTQI+ tem sido outra força. Carmen Camaleonte é uma das artistas do selo e seu EP "Orcário" vem somando críticas elogiosas. A obra é resultado de dois anos de trabalho e muito diálogo. "Nossa ideia foi sempre passar o máximo de conhecimento pra quem está do nosso lado. Quem gravou conosco tá montando seus estúdios", completa Mateus da Silva.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?