Vacina para a Covid-19: confira perguntas e respostas para as principais dúvidas

Enquanto o mundo aguarda por uma imunização contra o coronavírus, muitas dúvidas surgem sobre a vacina

Legenda: Rússia já apresentou uma vacina contra coronavírus, mas a comunidade científica recebeu a notícia com desconfiança por falta de acesso à pesquisa
Foto: AFP

O mundo inteiro está aguardando uma vacina capaz de imunizar contra o novo coronavírus, que mudou a rotina do planeta desde o fim de dezembro de 2019. Mais de 160 projetos estão em desenvolvimento, sendo 30 em estágio de fase de testes em humanos, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). 

É normal que muitas dúvidas apareçam neste momento em que a população espera que alguma vacina. Dessa forma, reunimos as principais questões sobre o que já se sabe das vacinas para Covid-19. Confira: 

Quando uma vacina estará disponível? Vai ser em 2020?

A data é incerta, mas diversas empresas biofarmacêuticas dão prazos que vão desde os últimos meses de 2020 e até 2021. 

As empresas Pfizer e AstraZeneca, por exemplo, anunciaram que a revisão regulatória de suas vacinas devem sair até o fim deste ano. A OMS também já se colocou dizendo esperar para ainda este ano a produção de "milhões de doses".

O governo brasileiro já garantiu vacinas?

O Governo Federal firmou um acordo com a Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca, ambos do Reino Unido, que prevê a disponibilização de 100 milhões de doses e na parceria do Instituto Butantan com a chinesa Sinovac, a produção de milhões de doses da CoronaVac no Brasil foi autorizada. João Doria, governador de São Paulo, anunciou que o Estado deve receber as primeiras 5 milhões de doses da Sinovac Biotech no próximo outubro.

Ambas as vacinas estão sendo testadas em brasileiros. 

Como é feita a vacina?

Todas as empresas têm pesquisas e tecnologias diferentes para a produção da vacina. O protótipo da AstraZeneca/Oxford, por exemplo, está sendo baseada em um adenovírus de chimpanzé, com nome científico de ChAdOx1. Já a vacina da Pfizer em parceria com a BioNTech está sendo feita com base em RNA mensageiro, que leva "instruções" para produção de proteínas que podem treinar um sistema imunológico saudável para produzir anticorpos que combatem a infecção grave gerada pelo vírus. 

> Saiba quem são os profissionais que desenvolvem a vacina

No entanto, todas precisam passar pelas fases de testes de aprovação para garantir eficácia e segurança. Passando, primeiramente, por testagens em animais. Depois disso, acontecem 3 fases de testes em humanos, com especificidades para cada uma delas, como o número crescente de pessoas que recebem a vacina. Ao fim desses estágios, uma autorização emergencial será concedida para que possa, finalmente, ir para a aprovação e distribuição. 

Como ser voluntário nas fases de testes?

Cada instituto responsável pelas vacinas tem suas próprias normas de triagem. A maioria está dando preferência a profissionais de saúde que atuem na linha de frente, pela maior exposição ao vírus. 

> Por que o Ceará ficou de fora da lista dos estados que vão testar vacina chinesa? Butantan justifica

A vacina será 100% eficaz? Será necessária apenas uma dose da vacina? 

Como nem todas as vacinas são criadas da mesma forma, isso irá depender. A vacina da gripe, por exemplo, é aplicada em doses anuais e, ainda assim, não previne 100% contra a gripe. Já a vacina da febre amarela exige apenas uma única dose. Pesquisadores afirmam que isso ainda é incerto para a vacina do coronavírus. A vacina CoronaVac já demonstrou eficácia de 97% com apenas duas doses, segundo o diretor do Instituto Butantan.

A vacina BCG é eficaz contra o coronavírus?

Ainda não existe nenhuma vacina eficaz contra a Covid-19. A Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai) diz que o estudo que suscitou esta dúvida, feito pelo Instituto de Tecnologia de Nova York, "tem falhas metodológicas significativas e foi publicado como um pré-print, um tipo de publicação que não é avaliada por revisores e não deve ser utilizada como recomendação clínica. Portanto, não é possível recomendar a vacinação com o BCG fora da rotina do Programa Nacional de Imunizações". 

E a vacina da tríplice viral? Tem alguma relação com o coronavírus?

Não existe nenhum estudo que realmente afirme a precaução da tríplice viral à Covid-19. Estudos publicados nas revistas mBio e Science sugerem que esta vacina e o imunizante oral contra a poliomielite (paralisia infantil) podem ter algum efeito de proteção ou atenuem os sintomas do novo coronavírus.

A sugestão é justificada pelo fato de que ambos ocasionam a imunidade inata. Ou seja, além de produzirem anticorpos para as doenças que foram destinadas, podem ativar células de defesa que atacam diferentes agentes infecciosos de outras doenças.

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) está realizando uma pesquisa com voluntários para investigar essa possível imunização. Mas, até agora, tudo são suposições.

Por que uma vacina e não um medicamento?

O medicamento tem atividade profilática ou de cura, necessitando que o vírus esteja ativo no corpo. A vacina faz com que o corpo desenvolva os anticorpos mesmo sem o vírus estar ativo, oferecendo mais agilidade na interrupção da transmissão e infecção.

Esta matéria está em atualização, com base no avanço das pesquisas de desenvolvimento das vacinas

Você tem interesse em receber mais conteúdo do Dias Melhores?