Caçula de Belchior, cantora Vannick reencontra o pai na música: 'É a presença dele comigo'

Cantora homenageia memória de Belchior que completaria 75 anos em 2021

Legenda: Aos 24 anos, a filha caçula do compositor cearense realiza projeto no qual interpreta sucessos do pai
Foto: Fabiane de Paula

Vannick Belchior vivencia uma fase pessoal inédita. Estrear como cantora em agosto deste ano trouxe a rotina de ensaios, apresentações, entrevistas e gravações. Se a escolha artística reverbera o peso do sobrenome paterno, carrega também uma jornada de descobertas. 

A música de Belchior (1946-2017) prossegue causando fascínio. No mês em que o pai completaria 75 anos, Vannick lançou single com os sucessos “Divina Comédia Humana”/”Medo de Avião”. Com o show “Das Coisas que Aprendi nos Discos”, composto de trabalhos clássicos do poeta, percorre palcos de Fortaleza e já passou por Natal (RN). 

Chegar até aqui significa superar questões particulares. Vannick tinha 10 anos quando Belchior escolheu ausentar-se socialmente. Assim, cantar esta herança musical é desbravar. “Posso entender melhor quem é o Belchior. Como pai, cidadão, como pessoa e ser humano. Principalmente o artista”, compartilha. 

“As pessoas têm saudade do meu pai. Elas buscam ouvir Belchior. Escolhi um repertório que se ele fosse fazer a apresentação, não poderiam faltar”. Hoje, aos 24 anos, a caçula e única nordestina entre os filhos do compositor explica que mergulhar nesse projeto é uma reparação afetiva. “É a presença dele comigo”. 

Os discos e a poesia embalam este reencontro especial com as origens. Vannick afirma que o carinho e apoio por parte da plateia a faz se sentir acolhida. Com brilhos nos olhos, divide estar feliz com a primeira experiência no estúdio de gravação. Que venham muitas, agradece. 

“Era muito pequena quando passei por esta ausência. Agora estou passando por essa presença. Seja no carinho dos fãs, das portas se abrindo por conta de eu ser filha desse grande artista da música popular brasileira. É interessante e satisfatório não só enquanto artista, mas também no âmbito dos processos internos de filha”. 

Músicas inéditas 

No mesmo mês em que estreou nos palcos, uma notícia inesperada chegou até Vannick. O jornalista e pesquisador musical Renato Vieira encontrou sete músicas inéditas de Belchior. As letras constam no Arquivo Nacional e foram enviadas entre 1971 e 1979 à Divisão de Censura de Diversões Públicas, órgão criado pela ditadura militar para inspecionar as produções artísticas.  

Vannick considerou o episódio como um "presente". Sinal de que tudo parece se alinhar para dar certo nestes primeiros passos. A cantora pretende trabalhar este material futuramente. A gravação, aponta, acontecerá no momento certo e com uma roupagem musical moderna. 

“Quero enquanto filha disseminar essa obra não apenas para o público que ele já conquistou. Quero por mim, conquistar outro público” 
Vannick Belchior
Cantora

Single teve direção musical e arranjo de Tarcísio Sardinha. Lu D`Sosa (Guitarras), Filipe Mota (Baixo) e Igor Ribeiro (Bateria)
Legenda: Single teve direção musical e arranjo de Tarcísio Sardinha. Lu D`Sosa (Guitarras), Filipe Mota (Baixo) e Igor Ribeiro (Bateria)

Presença 

O single nas plataformas de streaming, a descoberta de acervo inédito e os shows com recepção carinhosa dos fãs demarcam o início desta realizadora no meio musical. Se o pai estivesse vivo, declara, as circunstâncias seriam outras. “Estaria aqui para me orientar”.  

Pelo menos 17 faixas compõem o repertório, o que garante temas como
Legenda: Pelo menos 17 faixas compõem o repertório, o que garante temas como "Velha Roupa Colorida", "Tudo Outra Vez", "Apenas um rapaz latino-americano", "Alucinação" e "Como Nossos Pais"
Foto: Fabiane de Paula

Vannick defende que a coragem a faz tocar em algo tão delicado. Reconstruir essa memória afetiva é um horizonte pertinente. “Todo mundo sabia quem era meu pai. Ele tocava na rádio, estava na internet, aparecia no Fantástico. Mas, não estava ali comigo. Isso me gerou muitos processos. Em nenhum momento fiquei com raiva ou mágoa. Era a falta mesmo”, argumenta. 

De olho no futuro, Vannick Belchior busca projetar o legado familiar por mais outras décadas. A julgar pela intensidade das últimas semanas, o caminho promete ser luminoso. “Sempre estou descobrindo um novo Belchior. Em todas as suas faces. Já valeu a pena”.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?

Assuntos Relacionados