Sarah e Juliette conversam sobre voto, enquanto sister descarta estratégia: 'não foi racional'

Segundo Sarah Andrade, Juliette teria dado diversos motivos para que fosse votada no domingo (21)

Sarah e Juliette conversaram sobre voto no paredão
Legenda: Sarah disse a Juliette que votou com o "coração" no domingo
Foto: reprodução/Gshow

O voto de Sarah em Juliette durante a formação de paredão no BBB 21, na noite de domingo (21), rendeu discussões no confinamento ao longo da madrugada. Em conversa, as duas ex-aliadas citaram motivos para o ocorrido, enquanto a paraibana levantou hipóteses sobre as estratégias de jogo da brasiliense.

Entretanto, o diálogo não aconteceu de cara. Logo após o fim da transmissão ao vivo, Sarah se uniu a Gilberto no quarto do líder para discutir as escolhas na berlinda da semana. "Eu gosto da Juliette, mas entre as outras pessoas, eu não estou com dúvida", disse ao descartar voto em Arthur, Camilla e João Luiz.

Segundo a sister, as consequências do voto já seriam esperadas. "Não quero me explicar. Se ela quiser me apontar no Jogo da Discórdia amanhã, não vou ficar chateada. Eu não tive um motivo, tive vários", relatou. Além disso, acreditou que Juliette estaria comentando sobre o assunto com outras pessoas da casa. 

Agradecimento a Gilberto

Ao entrar no quarto para agradecer Gilberto por livrá-la do paredão, Juliette questionou Sarah sobre voto no confessionário. "Eu sei que seu perfil de jogadora é um jogador mais racional, que você já me falou e eu respeito, não tem nada de mal nisso. E dessa vez eu fiquei confusa se foi racional ou se foi mágoa", disse a advogada.

Em resposta, Sarah negou qualquer tipo de racionalidade para a decisão. "Não teve nada de racional dessa vez. Não pensei em estratégia de jogo para votar em você", disparou.

Enquanto Juliette deixou claro que Sarah não teria o voto dela, a analista de marketing falou sobre o desejo de ter escolhido Carla Diaz. "Mas ela já estava no paredão. Nesse momento, nenhuma das outras pessoas eu via motivo nenhum para votar", afirmou. 

Até o momento, as duas não deram indícios de que devem retomar aliança, mas não chegaram a discutir, de fato, sobre o voto no domingo (21).