Sepultura é destaque na segunda noite do Ponto.CE

Mesmo com os contratempos por conta das fortes chuvas em Fortaleza, evento realizado na Praça Verde do CDMAC recebeu bom público para prestigiar a "noite metal"

Novembro se despediu dos cearenses com chuva. A manhã de sexta-feira (30) foi marcada por muita água e o clima alterou o cotidiano de Fortaleza. Já no fim da tarde, o tempo chuvoso deu uma trégua, porém já tinha deixado o recado. Além de ruas alagadas e apagão nos semáforos, voos previstos para pousar no Aeroporto Pinto Martins tiveram de ser desviados para outras localidades

show de Roberta Sá na Caixa Cultural Fortaleza foi adiado para o próximo domingo (2), às 16h. Outra atração do dia, o Ponto.CE, precisou se rebolar para garantir a festa. A organização precisou alterar a ordem de apresentação das bandas. Agendado para finalizar a noite metal do evento, o Sepultura, por exemplo, teve horário remarcado para as 22h.  

A mudança no cronograma causou uma baixa no line up original, o grupo Insanity não conseguiu conciliar a agenda dos integrantes e cancelou a participação. Assim, pela ordem, apresentaram-se The Knickers, Nervosa (SP), Sepultura, Jack The Joker e Obskure

Os primeiros acordes do festival foram emitidos na noite anterior. Na quinta-feira (29), no Complexo Armazém, a abertura da 12ª edição foi guiada pelos norte-americanos da Pennywise. O set foi completado pelo Switch Stance, em show especial de reunião, e por Mutação (AL), R.S.U. (PI) e Dead Nomads (PB).  

Na sexta-feira, o Ponto.CE fixou território na Praça Verde do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (CDMAC). A abertura dos portões aconteceu às 19h e o fluxo de público ainda era tímido.  Técnicos e roadies ainda davam os retoques finais tanto na estrutura de palco como no som.  

The Knickers inaugurou a noitada com a força de seu hard rock, repleto de referências ao metal clássico. Alline Madelon (voz), Paloma Oliveira (guitarra), Tina Paulo (guitarra), Alessandra Castro (baixo) e Crilainy Aposam (bateria) priorizaram um show rápido, direto e com poucas pausas. De todos os convidados, certamente, foi a banda onde a provocação política esteve mais presente. A luta contra o machismo, racismo, homofobia e a busca de uma sociedade mais justa para as mulheres estiveram em pauta. 

Legenda: The Knickers inaugurou a noitada com a força de seu hard rock, repleto de referências ao metal clássico
Foto: FOTO: Antônio Laudenir

Por conta da chuva, o cronograma de passagem de som, a ser realizado horas antes do festival, foi totalmente prejudicado. Isso influenciou em boa parte das apresentações. Como atração de abertura, a The Knickers teve a missão de se adequar às dificuldades. Em seguida, as paulistas da Nervosa apresentaram seu thrash metal característico.  

Fernanda Lira (voz e baixo), Prika Amaral (guitarra e voz) e Luana Dametto contam com um bom público cativo. 

Já pela metade da apresentação, com o som mais organizado na saída do palco, o público já em maior número presenciou o melhor momento da banda.  “Kill the Silence”, e “Into Moshpit” fizeram parte da boa sintonia. 

Legenda: A banda paulista Nervosa foi a segunda atração da noite
Foto: FOTO: Antônio Laudenir

Nostalgia 

A festa seguiu com os mundialmente famosos Sepultura, headliners da noite.  Paulo Jr. (baixo), Andreas Kisser (guitarra e voz), Derrick Green (voz) e Eloy Casagrande (bateria) chegaram a Fortaleza com a turnê do disco “Machine Messiah” (2017) debaixo do braço. Crias desse material como “I Am the Enemy” e “Phantom Self” estiveram presentes. O primeiro salto nostálgico aconteceu com “Territory” e “Inner Self”. 

Legenda: “I Am the Enemy” e “Phantom Self” foram algumas das músicas tocadas pela Sepultura, no Ponto.CE
Foto: FOTO: Antônio Laudenir

“É uma data especial. Comemoramos 20 anos de Derrick Green no Sepultura”, berrou Andreas Kisser para aplausos dos fãs. Para celebrar, o grupo emendou “Against” e “Choke”, canções do disco “Against” primeiro registro com o vocalista. Mas, foram os antigos sucessos quem mais bateram forte na cabeça dos presentes. “Refuse/Resist”, “Arise”, “Troops of Doom” mostraram legado. Ainda teve tempo para “Ratamahatta” e o encerramento com “Roots Bloody Roots” .

Dispersão 

Comum e já cultural em uma severa parcela de shows realizados na capital cearense, logo após a participação do nome principal, o público tende a ir embora. Mesmo assim, Jack The Joker e Obskure mantiveram a pressão dos fãs de metal. A primeira, trata de uma força da recente geração de bandas locais. Já o Obskure representa um marco de resistência na arte cearense e segue por três décadas produzindo e apoiando a cena rocker. 

Legenda: Jack the Joker é da recente geração de bandas locais
Foto: FOTO: Antônio Laudenir

A noite metal da 12ª edição do Ponto.CE sentiu os contratempos da chuva e buscou adequar-se ao momento. Por enquanto, nada de descanso. Neste sábado (1), o Ponto.CE se liga com diferentes vertentes do pop nacional e local. Sobem ao palco  Casa de Velho (CE), Old Books Room (CE), NDK (SP), Camila Marieta (CE), Esteban (RS), Erivan Produtos do Morro (CE) e Gabriel O Pensador (RJ).  

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?