Caso Rafael Miguel: relembre a trajetória do ator de Chiquititas assassinado junto com os pais

Artista mirim foi morto a tiros pelo então genro que não aceitava o namoro dele com a filha

Escrito por Redação,

Zoeira
Ator morto
Legenda: Ator foi assassinado pelo pai de sua então namorada
Foto: Lourival Ribeiro/SBT/Reprodução

Morto a tiros aos 22 anos, Rafael Henrique Miguel era ator, ofício que o tornou conhecido no personagem "Paçoca" na novela "Chiquititas", do SBT, e também  professor de inglês. O nome dele voltou à tona nessa segunda-feira (16), após o acusado do crime contra o artista e os pais dele ser preso em São Paulo. 

Rafael Miguel tinha 22 anos quando foi assassinado pelo pai de sua então namorada Isabela Tibcherani. Ele estava acompanhado de seus pais, Miriam Selma Miguel, 50, e João Alcisio Miguel, 52, que também morreram no ataque. O triplo homicídio ocorreu no dia 9 de junho de 2019.

Início da carreira

Ainda criança, no início da carreira, o ator foi o rosto principal do comercial de TV em que pedia brócolis à mãe. A propaganda chegou a ser veiculada nacionalmente.

Ator ficou conhecido por publicidades e atuação em novelas como
Legenda: Ator ficou conhecido por publicidades e atuação em novelas como "Chiquititas"
Foto: Reprodução/YouTube

O artista mirim atuou nas novelas "Pé na Jaca" (2006-2007), "Cama de Gato" (2009-2010), na minissérie "JK" e no especial de fim de ano "O Natal do menino imperador", quatro produções da TV Globo. 

Em seguida, ele foi escalado para dar vida ao personagem Paçoca, na novela infantil "Chiquititas", exibida pelo SBT entre os anos de 2013 e 2015. 

Além da carreira artística, Rafael dava aulas como professor de inglês. Um dia antes de ser executado, inclusive, ele esteve na escola das 9h às 17h. Segundo o diretor da instituição, Alceu de Andrade, ele era "muito bom, generoso, se dedicava muito".

Assassinato 

O ator e os pais tinha ido à residência da namorada no bairro da Pedreira, Zona Sul de São Paulo, para conversar com o pai dela sobre o namoro. No momento em que a família estava sendo recepcionada pela mãe, o pai da namorada, Paulo Cupertino Matias chegou atirando contra eles. Os três morreram ainda no local. 

Paulo foi preso nessa segunda-feira (16), em São Paulo, após três anos do crime. Ele integrava a Difusão Vermelha da Interpol e era o mais procurado da lista policial de São Paulo.