Assim como Elliot Page, jovem cearense relata descoberta como homem trans

Debate sobre identidade de gênero voltou à tona com o anúncio do ator Elliot Page de ser uma pessoa trans

Legenda: O ator anunciou que é uma pessoa trans na terça-feira (1º)
Foto: Reprodução / Instagram

O ator Elliot Page, conhecido pelos trabalhos em ‘The Umbrella Academy’ e ‘Juno’, revelou pelas redes sociais nesta terça-feira (1º) ser uma pessoa trans. "Olá, amigos, quero compartilhar com vocês que sou trans, meus pronomes são ele/eles e meu nome é Elliot", escreveu o artista. O anúncio do canadense resgatou o debate sobre transgeneridade

Assim como Elliot, diversos outros artistas já declararam não se identificar com o gênero de nascimento, como Laerte e Thammy Miranda. A realidade de homem trans, por exemplo, foi retratada na novela ‘A Força do Querer’, que está sendo reprisada na TV Globo. A trama exibiu o processo de descoberta de Ivan, vivido por Carol Duarte.  

Mais próxima é a vivência de Peter Tanimoto Ricarte, de 19 anos. O jovem de Fortaleza se descobriu homem trans aos 16 anos e, hoje, desfruta da liberdade de ser quem realmente é e até recebeu o título de vice mister trans Ceará 2021.  

Legenda: Peter se entendeu como um homem trans aos 16 anos
Foto: Acervo pessoal

O rapaz conta que, antes de se entender como um homem trans, não se sentia confortável com o corpo que nasceu. “Eu entendia aquilo como depressão, porque eu não tinha conhecimento sobre o conceito de homem trans. Até que assistindo a vídeos no Youtube vi um cara trans ensinando a fazer binder (prática que prende o tecido mamário para ficar com a aparência de um peito liso), a partir dali me vi como ele”, conta.  

Após aprender a técnica com o vídeo, Peter tentou fazer nele mesmo e “foi a primeira vez que fiquei feliz ao me ver no espelho”. 

Vivências 

A descoberta veio repleta de receios, pois, à medida que pesquisava sobre a realidade de pessoas trans, ficava assustado com o preconceito da sociedade. “Com isso, fiquei me negando, foi muito difícil me aceitar e ficava me forçando a ser uma guria que eu não era. Foi ficando cada vez mais difícil e não consegui mais de jeito nenhum e foi quando eu me assumi pra todo mundo”, relata. 

Apesar da felicidade por, finalmente, ser quem é, a identidade afastou pessoas do convívio de Peter. “Depois que me assumi, perdi amigos próximos, perdi familiares”.  

Agora a espera do jovem é para começar o processo transexualizador, que envolve terapia hormonal e/ou cirurgia de readequação de gênero. Vale ressaltar que os procedimentos não são desejo de todas as pessoas trans. “Quero muito fazer a cirurgia e ainda não comecei a me hormonizar, pois é muito caro, é muita burocracia”, lamenta Peter.  

“Hoje em dia, me sinto ótimo, é incrível, ainda tenho questões com meu corpo, mas agora posso me vestir da forma como me identifico e ninguém vai me julgar por isso, não tenho que ficar me escondendo”, acrescenta. 

Identidade de gênero 

De acordo com o Manual de Comunicação LGBTI+ da UNAIDS Brasil, de 2018, transgêneros “são pessoas cuja identidade de gênero transcende as definições convencionais de sexualidade”. Identidade de gênero é definido pelo documento, por sua vez, como a forma que cada pessoa sente que ela é em relação ao gênero.  

Há ainda o não-binário, que são pessoas que não se identificam nem com o gênero masculino nem com o feminino.  

Quebra da expectativa  

Para Kaio Lemos, pesquisador e coordenador nacional do Instituto Brasileiro de Transmasculinidades (IBRAT), toda a repercussão que envolve o anúncio de Elliot Page tem relação com uma quebra de expectativa cultural.  

“Existe um processo todo já traçado de quem devemos ser, é um processo cultural e, quando isso acontece, há um rompimento dessa cultura, acontece todo esse processo de desconstrução. Uma quebra de percurso daquilo que estava considerado como o normal, como o certo, o ideal. E isso ocasiona as questões de violências e mostram o quanto a nossa sociedade é criada a partir da rede normativa”, explica Kaio que também é um homem trans.
  

Preconceito 

A luta da comunidade trans para a conquista de direitos básicos é intensa e necessária. Somente em 2019, após 28 anos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) tirou a transexualidade da categoria de transtornos mentais para ser considerada como “condições relacionadas à saúde sexual” e classificada como “incongruência de gênero”. 

No entanto, apesar da conquista, Kaio pontua que ainda há muito para se debater, já que o preconceito vivido pela comunidade trans é bastante violento. Uma pesquisa da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) apontou que houve um aumento de 39% de assassinatos de pessoas transgênero no Brasil quando comparado o primeiro semestre de 2019 com o de 2020.  

“Ainda somos vistos como desajustados, como anormais, há muito preconceito. O movimento trans tem passado por muitas violências, ainda estamos dentro de um cenário que, por mais que tenha todo esse processo de migração, ainda evidencia a invisibilidade e o silenciamento das nossas questões”.  

Para Kaio, a questão da transgeneridade na infância e na adolescência é um tema que precisa ser bastante debatido, já que essas pessoas vivem sob a custódia de um adulto. “Dependendo de quem for o responsável, o entendimento e o pertencimento dessa pessoa é ainda mais difícil, pois isso resulta numa relação de dor, de rejeição”.  

O pesquisador também aponta para a importância da educação escolar nesse contexto, pois os espaços sociais frequentados por esses indivíduos repercutem isso da mesma forma. “Não temos uma educação preparada para dialogar com essas questões”, conclui.   

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?

Assuntos Relacionados