Marina Alves completa 3 meses de transplante de medula e diz que iniciará vacinação em breve

A jornalista da TV Verdes Mares segue tomando medicamentos para evitar a rejeição da medula. A repórter se diz ansiosa para voltar à vida normal

Escrito por Redação,

Ceará
repórter marina salves tirando selfie sorrindo
Legenda: Marina foi diagnosticada com linfoma, tipo raro de câncer, em agosto de 2021 e fez o transplante em abril de 2022
Foto: Reprodução/Instagram

A jornalista Marina Alves, que está em tratamento contra um linfoma, comemorou, por meio das redes sociais, que está próxima de completar 3 meses do transplante de medula óssea e que deve "iniciar, em breve, a vacinação". A repórter da TV Verdes Mares publicou atualizações sobre seu estado de saúde nessa quinta-feira (30) em seu perfil pessoal no Instagram.

Marina comentou que segue isolada e sem poder receber visitas por conta da imunidade frágil após o procedimento. A jornalista continua tomando "vários remédios para controlar taxas, evitar recusa da medula, etc".

Os medicamentos não são quimioterápicos, mas alguns a deixam "bem enjoada". A repórter compartilhou ainda que deve iniciar "em breve" o esquema de novas vacinações. 

"Depois da alta tive alguns contratempos, como manchas e coceira na pele e diarreia. Mas foi tudo contornado", explicou. 

Marina Alves foi diagnosticada com linfoma, tipo raro de câncer, em agosto de 2021. O transplante de medula foi realizado no dia 5 de abril.

Durante a campanha para encontrar um doador compatível, descobriu a existência de uma irmã, Lumara Sousa, que doou o material genético.

Futuro 

Marina compartilhou que está muito ansiosa para voltar à vida "normal", para a qual não faltam planos. Isso ainda não tem previsão, por enquanto. 

"Conto com ajuda profissional (psicóloga e psiquiatra) pra conseguir viver “um dia de cada vez”, da melhor forma possível. Não é fácil, mas com um sorriso no rosto tudo fica mais leve!", escreveu.