AliExpress recruta vendedores brasileiros para comércio online

Em três semanas, empresa revela que já recebeu milhares de cadastros

Legenda: Para estimular a compra de parceiros locais, o AliExpress criou uma aba no site a aplicativo apenas para vendedores brasileiros
Foto: Jasni / Shutterstock

Em operação no Brasil há mais de dez anos, o AliExpress abriu a plataforma para o cadastro de vendedores brasileiros. Aproveitando o crescimento do e-commerce no País durante a pandemia, a empresa já registrou a inscrição de milhares de vendedores parceiros em três semanas.

A alta demanda foi revelada pelo gerente de comércio local na América Latina do AliExpress, Yaman Alpata em entrevista coletiva virtual na manhã desta segunda-feira (23).

Conforme o executivo, a procura superou a expectativa, embora não tenha detalhado o número de cadastros esperados.

"Nós não divulgamos o volume de vendedores cadastrados, nem no Brasil, nem em nenhum outro país de atuação do AliExpress. Mas não temos limite, queremos recrutar o máximo de vendedores possível", afirmou.

Alpata também pontuou que a empresa fez pesquisa de mercado, e está acompanhando a tendência de crescimento de pequenos negócios durante a pandemia, especialmente na internet. Pretendem abocanhar parte significativa desses empreendedores.

"Diversidade é importante em termo de fornecimento e irá complementar o que já vem da China"
Yaman Alpata
Gerente de comércio local na América Latina do AliExpress

Atendimento

Com o lançamento, a plataforma passa a atuar em duas frentes no Brasil: a primeira de vendedores chineses atendendo consumidores brasileiros e, agora, a de vendedores brasileiros atendendo a demanda local. O Brasil é apenas o sexto país do mundo a receber o modelo 'local to local' e o primeiro da América. 

O destaque brasileiro em termos de vendas, que garante ao País a quinta colocação entre as nações atendidas pela AliExpress, é um dos motivos que justifica a expansão da operação local. Segundo Viviane Almeida, gerente comercial da empresa no Brasil, outro ponto decisivo foi o potencial ainda a ser explorado do e-commerce nacional.

"O e-commerce brasileiro é como se fosse uma grama alta, que ainda precisa de capinada, aparada. É uma grande oportunidade que já vinha no radar", afirmou.

Requisitos e benefícios

Para começar a vender através do AliExpress, o único requisito é que os empreendedores possuam Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) ativo, podendo ser, inclusive, de Microempreendedor Individual (MEI). Após a solicitação, que pode ser feita pelo próprio site, a empresa, em parceria com o BTG Pactual, realiza uma checagem do vendedor e aprova ou não o cadastro.

Segundo Almeida, a plataforma mantém um time de acompanhamento próximo aos vendedores, verificando se os produtos estão sendo entregues corretamente e possíveis problemas que possam estar acontecendo, exigindo, por exemplo, certificado de vendedor oficial para determinadas marcas, evitando a comercialização de itens falsificados.

Alpada complementou revelando que o AliExpress coloca importância em dois pontos principais: o cumprimento das leis e regulações locais de cada país de atuação da plataforma e o combate a produtos falsos e a defesa dos direitos de propriedade.

"Com a nossa tecnologia, estamos forçando o mercado para estarmos de acordo com a leis locais, principalmente os direitos de propriedade", destacou.

Dependendo da categoria de produtos, os vendedores locais pagarão taxa de comissão de 5% ou de 8% do faturamento ao AliExpress, tarifas que garantirão o acesso à plataforma e à base de clientes, bem como o serviço de logística próprio do grupo.

Almeida também pontuou que os parceiros também terão como benefícios o acesso a um canal de venda rápido e de grande crescimento, a uma infraestrutura de logística 100% online e rastreável com valores competitivos, além de redução da janela de resgate dos valores de sete dias a partir da entrega do produto, podendo haver saques diários gratuitos.

"Dois grandes pontos de toda operação são a comunicação e o atendimento. Tendo isso em vista, a gente oferece suporte aos 'salers' 24h horas, sete dias por semana, promovendo ele dentro da plataforma, oferecendo consultoria, mostrando as tendências", ressaltou.

Logística

O AliExpress, empresa do grupo Alibaba, também oferece a operação logística completa aos vendedores da plataforma, através da Cainiao, subsidiária do conglomerado que já possui atuação no Brasil.

Tendo como principal parceiro atualmente os Correios, a empresa está ampliando o rol de transportadoras associadas, permitindo frete grátis para todo o território nacional nas vendas de lojistas brasileiros.

Os vendedores que já possuem  operação logística, também podem optar pela rede própria ou ainda por mesclar os dois sistemas.

Alpata ainda revelou que o grupo pretende instalar, em breve, um centro de distribuição (CD) no Brasil, otimizando o serviço de entrega e reduzindo os prazos.

"Ainda não posso dizer quando, mas muito em breve deveremos investir nesse equipamento. Hoje, a maioria das entregas no Brasil levam de três a quatro dias para serem concluídas. Após a instalação do CD, queremos poder realizar a entrega de produtos no mesmo dia da compra ou no dia seguinte", afirmou.

O executivo não detalhou onde deve ficar o equipamento nem de quanto deverá ser o investimento.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios