Reajustar Bolsa Família a partir do Imposto de Renda 'não é razoável', diz Pacheco

Proposta de elevar valor pago pelo programa social para R$ 300 vem sendo defendida pelo ministro da Economia

Escrito por Agência Brasil,

Negócios
Pacheco disse que o Bolsa Família é fundamental para gerar condições para as pessoas de baixa renda
Legenda: Pacheco disse que o Bolsa Família é fundamental para gerar condições para as pessoas de baixa renda
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, disse nesta terça-feira (5) que a garantia de recursos para o Bolsa Família não pode ser vinculada a alterações no Imposto de Renda. 

“Não me parece razoável nós discutirmos um novo modelo de imposto de renda a pretexto de que essa é a condição sine qua non [essencial] única para ter um Bolsa Família no Brasil”, disse ao participar de um debate sobre reforma tributária promovido pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A proposta de elevar o valor pago pelo programa social para R$ 300 a partir de recursos obtidos com mudanças no imposto de renda vem sendo defendida pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. 

O projeto de lei que muda as regras e alíquotas da tributação sobre a renda foi aprovado pelo Câmara dos Deputados no início de setembro e, agora, está sendo apreciado pelo Senado.

Pacheco disse que o Bolsa Família é fundamental para “gerar condições para as pessoas de baixa renda terem sobrevivência em razão de tudo o que estamos passando”. Por isso, o presidente do Senado acredita que seja importante que o programa tenha recursos independente da aprovação do texto do Imposto de Renda pelos senadores. 

“Nós temos que ter a criatividade de saber que há uma arrecadação muito elevada no Brasil hoje, que nós temos fontes de recursos para isso”, destacou.

Segundo ele, o projeto do Imposto de Renda tem uma grande importância e precisa ser analisado com tranquilidade. “Não podemos colocar no colo do Congresso Nacional de aprovar um projeto estruturante para um projeto social que tem mais apelo popular”, acrescentou.

Projetos

Na opinião do presidente do Senado, as diversas propostas que mudam as formas de cobrança de impostos e tributos no País devem ser analisadas pelo lógica de reduzir a complexidade do sistema e a carga tributária. 

“Nós queremos simplificar, mas não queremos que haja aumento da carga tributária para o contribuinte brasileiro em regra geral. Se a lógica for que o projeto ‘A’ ou o projeto ‘B’ eleva arrecadação para o contribuinte brasileiro, não parece que seja um projeto bom”, disse.

Sobre a aprovação desses projetos, incluindo a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 110 de 2019, conhecida como PEC da reforma tributária, Pacheco acredita que será possível conseguir avanços ainda em 2021. 

“Nós teremos alterações no modelo tributário. Pode, eventualmente não ser aquela reforma desejada há muito tempo pela população brasileira, pelo setor produtivo”, ponderou.