Indígena cearense terá obras na maior biblioteca do mundo, nos EUA

Cordelista Auritha Tabajara doou um livro e folhetos de cordéis de autoria própria para a instituição

Auritha Tabajara
Legenda: O livro "Coração na aldeia, pés no mundo" é um dos que ficará disponível na Biblioteca do Congresso, nos Estados Unidos

Os versos da cearense Auritha Tabajara estão prestes a morar na maior biblioteca do mundo. De Ipueiras (a 300 Km de Fortaleza) a Washington, D.C, nos Estados Unidos, a primeira mulher indígena a publicar livros em cordel no Brasil terá a trajetória literária preservada e reconhecida pela instituição Library of Congress (Biblioteca do Congresso).

A obra “Coração na aldeia, pés no mundo” (2018), com xilogravuras de Regina Drozina, e os folhetos “A sagrada pedra encantada” (2019) e “Diário de uma índia nordestina” (2019) foram doados pela autora, na última quarta-feira (8), para compor o acervo internacional.

Auritha foi localizada pela representante bibliográfica da Biblioteca do Congresso dos EUA, Magaly Pedroso, por meio de um perfil biográfico publicado em março deste ano no Diário do Nordeste. Nas pesquisas rotineiras que realiza em busca de cordelistas, a bibliotecária paulista se viu atraída pelo trabalho da cearense, inclusive pelo pioneirismo a ele atribuído.

Em contato com a repórter que aqui escreve, Magaly chegou à indígena tabajara. Por coincidência, a autora encontrava-se em São Paulo a trabalho por esses dias, o que facilitou a entrega dos exemplares.

“Na mesma hora, ela perguntou onde eu estava e disse que ia me ver. Uma pessoa maravilhosa, que eu gostei muito de conhecer. Ela me explicou direitinho o processo de envio das minhas obras aos Estados Unidos! Estou ficando chique!”, brincou Auritha ao telefone, antes de começar as gravações do documentário biográfico “A Mulher sem Chão”, com estreia prevista para 2022.

Acervo brasileiro de cordéis

De São Paulo, os cordéis de Auritha seguem primeiro para o Escritório da Biblioteca do Congresso, no Rio de Janeiro. Em atividade desde 1966, o espaço é responsável atualmente pela coleta de materiais do Brasil, Uruguai, Suriname, Guiana e Guiana Francesa. Após essa breve parada, onde também deve ser analisada por uma bibliotecária especializada neste tipo de literatura, a obra da autora cearense será enviada para os EUA.

Auritha e Magaly
Legenda: Auritha entrega as obras a representante bibliográfica Magaly Pedroso, em São Paulo

“É um presente conhecer Auritha e estar próximo de pessoas como ela, que estão se lançando, produzindo, mesmo com as dificuldades de reconhecimento no Brasil”, relata a representante bibliográfica Magaly Pedroso, há doze anos vinculada à instituição norte-americana.

Com mais de 155 milhões de itens - livros, manuscritos, jornais, revistas, mapas, vídeos e gravações de áudio -, incluindo materiais disponíveis em 470 idiomas, a Biblioteca do Congresso está localizada em três edifícios, na capital dos Estados Unidos, e ganhou o título de maior do mundo tanto pelo espaço de armazenagem como pelo número de obras.

Segundo a instituição, o acervo de “livrinhos brasileiros” do American Folklife Center (AFC) foi criado na década de 1970, com a aquisição da coleção Sol Biderman. O escritório do Rio e a Divisão Hispânica em Washington trabalharam com a AFC nos últimos 40 anos para transformar esta seleção básica em uma das maiores do mundo, compreendendo mais de 11 mil itens, alguns já na década de 1930. 

Contabiliza-se, anualmente, a seleção de 300 a 600 “livrinhos”, adquiridos em viagens de campo aos estados do Nordeste e Norte do Brasil, feiras do livro e visitas a autores (cordelistas) e associações de cordel.

Mas, até agora, Auritha Tabajara não constava nesta lista.

“Trazê-la é algo ótimo, porque vira uma corrente. Uma vez que o contato já foi realizado, fico à disposição para receber literatura de cordel dela e de outras pessoas ao redor”. 
Magaly Pedroso
Representante bibliográfica da Library of Congress

Aliás, a cearense já aproveitou a oportunidade do primeiro encontro para entregar, junto com o próprio trabalho, o cordel da filha, Ana Jasly, intitulado “Kunhataim Tabajara em São Paulo” (2020). 

Auritha com um celular
Legenda: Auritha morou em SP por dez anos, mas retornou a Ipueiras em 2020 por conta da pandemia
Foto: Brunno Régis

Ficou para uma outra ocasião a entrega do livro de estreia de Auritha, “Magistério Indígena em versos e poesia” (2007), que já foi considerado leitura obrigatória nas escolas públicas pelo Estado do Ceará, mas hoje se encontra esgotado.

A conquista é celebrada pela cordelista em nome de toda a família Tabajara.

“Significa muito meu livro estar indo para a biblioteca de outro país! Me sinto janelas abertas para a voz de outras mulheres. Um orgulho para minha avó,  ela se sente representada. Estou mega feliz por essa conquista. Lógico que temos ainda muito o que conquistar. Por ser uma mulher indígena, nordestina e lésbica, é muito complicado estar nos espaços”, reforça, trazendo todas essas experiências em sua poesia.
Auritha Tabajara
Cordelista

Outros cearenses na Biblioteca do Congresso

Em uma breve pesquisa no acervo digital da instituição estadunidense, é possível localizar o trabalho de outros cearenses que dedicaram a vida ao estudo e a difusão da nossa cultura. O cordelista Arievaldo Viana (1967-2020), por exemplo, aparece com o blog “Acorda Cordel” na coleção Brazil Cordel Literature Online. Desde 2012, mais de 20 sites dessa natureza já foram arquivados.

O pesquisador sobralense Gilmar de Carvalho (1949-2021) também é referenciado com as obras “Poetas do Povo do Piauí: a Mídia Cordel” (2001), “Xilogravura” (2001) e “Patativa do Assaré” (2002), no material de um simpósio realizado pela Biblioteca, em 2011, sobre a continuidade e as mudanças na Literatura Popular Brasileira.

Já o compositor fortalezense Alberto Nepomuceno (1864-1920) conta com coleções de partituras no acervo, incluindo duas óperas, nove orquestrais e doze obras de câmara e solo, bem como cerca de quarenta canções e outras obras vocais. Fotografias, catálogos e demais materiais impressos integram o material.

Fotografias do quilombo cearense de Conceição dos Caetanos, em Tururu, feitas pelo fotógrafo André Cypriano (SP) também podem ser conferidas no acervo digital da Library of Congress. Além disso, os sites da Universidade Federal do Ceará, da Secretaria do Meio Ambiente do Estado do Ceará e um livro sobre a bacia do rio Jaguaribe, de Rosa Maria Formiga Johnsson e Karin Kemper, estão disponíveis na plataforma.

Serviço

Interessados em submeter trabalhos para a apreciação dos representantes da Biblioteca do Congresso, no Brasil, podem entrar em contato pelos seguintes canais:

Escritório da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos/Consulado Geral dos Estados Unidos da América
Endereço: Av. Presidente Wilson, 147, 3º andar - 20030-020 - Rio de Janeiro-RJ, Brasil
Telefone: (21) 3823-2320
Fax: (21) 3823-2333
E-mail: locrio@loc.gov

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?