Halisson Ferreira estreia na apresentação do Bom Dia CE

Repórter da TV Verdes Mares há quase seis anos, o jornalista inicia nova fase profissional e comemora

Escrito por Lívia Carvalho, livia.carvalho@svm.com.br

Verso
Legenda: Halisson Ferreira faz sua estreia como apresentador ao lado de Raíssa Câmara
Foto: Fabiane de Paula/SVM

Inúmeras entradas ao vivo, entrevistas marcantes e vivências divertidas fizeram parte da rotina de Halisson Ferreira pelos quase seis anos que esteve como repórter na tela da TV Verdes Mares. O jornalista estreou nesta segunda-feira (4) como apresentador do Bom Dia Ceará, ao lado da veterana Raíssa Câmara.  

Com quase 10 anos de trajetória profissional e 30 de idade, Halisson encara o novo desafio como motivação para seu trabalho e expandir horizontes. Embora não esperasse que a promoção fosse acontecer logo, o caminho, segundo ele, foi construído desde quando era apenas estagiário.  

“Já passei pela TV, trabalhei com Marketing, assessoria de comunicação, mas me encontrei mesmo na televisão. Fui me apaixonando por essa forma de contar histórias, por ouvir novas histórias e poder estar dentro da notícia”.  

Trabalhar na televisão, porém, nunca foi a pretensão de Halisson. O caminho apenas aconteceu. “Eu era estagiário em outra emissora, mas das redes sociais. Quando algum repórter faltava, me colocavam pra cobrir. Comecei na produção, só gravando áudios, depois fui ganhando mais espaço”. 

Legenda: Halisson Ferreira sai da reportagem de rua para assumir a apresentação do Bom Dia Ceará
Foto: Arquivo pessoal

Somente na emissora da Sereia já são quase seis de anos, desses cinco no Bom Dia Ceará como repórter. Para encarar a rotina da madrugada, já que o telejornal começa às 6h, Halisson precisou fazer algumas mudanças e sacrifícios. Na apresentação, o jornalista precisa começar o expediente às 4h para se preparar para o jornal.  

“Enquanto repórter, eu entrava às 5h, então precisava acordar às 4h. Mudei de endereço pra ficar próximo ao trabalho e facilitar o acesso durante a madrugada, então coloquei a minha vida à disposição do trabalho nesse momento pra que eu pudesse me dedicar, porque tem sim seus sacrifícios acordar tão cedo”.  

Notícia humanizada  

De acordo com Halisson, o que o público pode esperar com essa novidade é que a notícia seja apresentada cada vez mais de uma forma humanizada, com a bagagem e a expertise de quem já tem acumulada uma década na rua.  

“Quando chovia muito, eu queria saber o que aquela população tava passando com a chuva, não queria apontar pro sofrimento de ninguém, queria vivenciar aquilo, passar pro telespectador o que eu tava sentindo. É o jornalismo humano que eu gosto de fazer e quero continuar fazendo como apresentador”.  
Halisson Ferreira
jornalista

O profissional conta ainda que, apesar da surpresa da promoção, havia colocado uma meta para a carreira de dar novos passos após cinco anos na reportagem, o que, por acaso, aconteceu em 2022. “Quando eu me apaixonei pela funcionalidade da tv, acabei passando por todas as funções, então você fica com uma vontade de mais. Era algo que eu sonhava sim e algo que construí”, acrescenta.  

Representatividade na TV 

Aos 30 anos, Halisson exala um ar jovial e o imprime na sua personalidade. As tatuagens e o gosto pelo lazer mostram um novo momento do telejornalismo, que sempre foi mais conservador. “Sinto-me uma pessoa jovem, sou assumidamente gay, então eu trago essa minha vinda pra apresentação como uma mudança de ciclo, não só dentro do jornalismo, mas da sociedade”, pondera.  

"Podemos acreditar na competência de pessoas jovens, não podemos definir credibilidade em quem tem tatuagem ou não. A gente tem que tirar nossas amarras sobre quem é LGBTQIA+ e não vou esconder isso, é quem eu sou. Não quero que me enxerguem como apresentador, mas como humano, que erra, falha, se emociona”.  

Conforme Halisson, a mudança é vista como um dever social enquanto comunicador não só de trazer informação, representatividade, mas fazer o público se enxergar na tv. "Pra minha família tá sendo um acontecimento, minha mãe tem um mercadinho no interior, as pessoas chegam lá e falam de mim, dão um retorno pra ela. Se minha mãe ta orgulhosa, deixa meu coração quentinho também", diz.  

E essa felicidade é compartilhada com os familiares e com o público. “Minha mãe tá se achando, sempre teve orgulho do espaço que fui construindo. Ela sai dizendo pra todo mundo. Pra ela, é um orgulho, ela se enxerga em mim, que fez um trabalho bem feito”, revela.  

Halisson lembra também do pai, que faleceu em novembro de 2015, quando ele estava sendo contratado na TV Verdes Mares. “Recebi muitas mensagens de pessoas afirmando que meu pai deve estar orgulhoso de mim de onde ele estiver e tenho certeza que ele tá acompanhando tudo”.