Turismo cearense perde R$ 1,32 bi em apenas 15 dias com pandemia

Volume de atividades turísticas no Ceará caiu 34% em março de 2020 em relação a igual período de 2019

Escrito por Redação, negocios@svm.com.br

Negócios
Legenda: Pontos turísticos de Fortaleza, como a Beira-Mar, vazios por causa da covid-19
Foto: Foto: Camila Lima

O setor de turismo registrou perdas de R$ 1,32 bilhão no Ceará, apenas na segunda quinzena de março de 2020. Segundo levantamento, publicado nesta terça-feira (12) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o segmento acumula perdas de R$ 62,5 bilhões em todo o País, desde o início da pandemia do novo coronavírus, em 11 de março. 

Segundo a presidente da Câmara Setorial do Turismo e Eventos, Anya Ribeiro, o setor foi o primeiro a entrar na crise provocada pela covid-19 e será o último a se recuperar. Ela afirma ainda que já estão sendo propostos ao Governo do Estado protocolos de segurança para proteger turistas e trabalhadores para quando as atividades se normalizarem.

"O turismo foi o primeiro a parar suas atividades e com certeza vai ser o último setor a retomar. Foi o primeiro porque assim que iniciaram os casos no Brasil todos os eventos foram proibidos de acontecer. Depois, com o decreto estadual, os restaurantes e bares foram fechados", explica Ribeiro.

Ela diz ainda que essa paralisação culminou com o cancelamento de centenas de voos para os aeroportos cearenses e consequentemente o fechamento de hotéis.

"Os voos pararam de transportar turistas, e os hotéis não fecharam no decreto do Governo, mas muitos fecharam por falta de hóspedes, então nós fomos os primeiros a sentir a crise. O setor está com muita dificuldade, está passando por um tempo muito nebuloso e tudo está parado desde março", acrescenta Ribeiro. 

"Existe uma grande correlação entre o fluxo de passageiros, que caiu drasticamente no País, e a geração de receitas no Turismo. O cenário para o setor, que já era bem negativo há dois meses, se agravou nas semanas seguintes, alcançando uma paralisia quase completa nos dois últimos meses, a ponto de praticamente triplicarem-se os prejuízos no período", explica o presidente da CNC, José Roberto Tadros. 

Segundo a Confederação, a perda de R$ 13,4 bilhões, durante o mês de março, chegou a R$ 36,94 bilhões em abril e a R$ 12,24 bilhões somente nos dez primeiros dias de maio em todo o País, totalizando mais de R$ 60 bilhões de perdas em relação ao período pré-pandemia.

Atividade
Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o volume de atividades turísticas no Ceará caiu 34% em março de 2020 em relação a igual período de 2019. O Estado só não teve resultado pior que Santa Catarina (-34,1%) e Distrito Federal (-36,6%). 

Conforme o levantamento, o volume de atividades turísticas do Ceará no acumulado do ano registrou queda de -9,4% na comparação com o primeiro trimestre de 2019. As retrações foram consequência da redução da atividade em restaurantes, hotéis e transporte aéreo de passageiros, que interromperam os serviços por causa da pandemia.

Além disso, segundo a PMS, a receita nominal das atividades turísticas caiu 32% no Estado em março na comparação com igual período de 2019.