Os 7 aparelhos domésticos que gastam mais energia e aumentam a conta de luz

Com a criação da nova bandeira tarifária, é preciso maior atenção ao consumo dos eletrodomésticos

Foto: Shutterstock

Com a criação da bandeira Escassez Hídrica, que é mais cara que a bandeira vermelha 2, os eletrodomésticos estão na mira dos consumidores para minimizar os efeitos da conta de energia elétrica no orçamento ao final do mês. Alguns itens merecem atenção redobrada para garantir a economia pretendida.

Chuveiro elétrico

Conforme as orientações da Enel Distribuição Ceará, é na maioria das vezes o aparelho que mais consome energia em uma residência. Deve ser utilizado sempre que possível na função verão e o consumidor não deve reutilizar uma resistência queimada.

O ideal é ligar o chuveiro quando a maioria dos aparelhos estiver desligada para não sobrecarregar a rede elétrica. Além disso, é importante lembrar de economizar água, já que a crise no setor elétrico foi desencadeada pela crise hídrica.

Televisão

Elas parecem inofensivas, mas podem representar, em média, até 15% do valor da conta de luz. Por isso o ideal é não deixá-la ligada se não houver alguém assistindo.

Para quem tem o hábito de dormir com o aparelho ligado, o ideal é programá-lo para desligar automaticamente. Além disso, sempre que possível, o consumidor deve manter a TV fora da tomada porque o aparelho consome energia mesmo desligado.

Ferro elétrico

De acordo com a Enel, o ferro elétrico pode representar até 7% do valor da conta de energia. A recomendação é acumular o máximo de roupas antes de passar para usar o aparelho com mais eficiência.

Nos ferros automáticos, o ideal é regular a temperatura e passar primeiramente as roupas que exigem menos calor.

Ar condicionado

Com o calor, o ar condicionado se tornou item quase indispensável em residências e estabelecimentos comerciais. Para esse item, que também é considerando um dos grandes vilões na conta de energia, o ideal é que a instalação seja feita em local arejado, com boa circulação de ar.

Evite áreas expostas ao sol e mantenha os filtros limpos para não forçar o aparelho. Quanto à temperatura, regule-a em cerca de 23 graus, evitando o frio excessivo. Quanto mais frio, maior o consumo de energia.

Geladeira e refrigerador

A geladeira é mais uma campeã no quesito consumo elevado dentro de uma residência. O ideal é procurar as que possuem selo Procel A e evitar abrir e fechar a porta a todo instante.

Verifique o estado das borrachas de vedação constantemente e não seque roupas atrás do aparelho. Evite guardar alimentos quentes na geladeira.

Iluminação

As lâmpadas devem ser as mais econômicas, portanto a recomendação é usar as de LED. De acordo com a Enel, ao substituir uma lâmpada incandescente de 100WW por uma fluorescente de 32W, a economia chega a 60%.

Evitar acender lâmpadas durante o dia e aproveitar a luz natural é indispensável. Também é possível economizar ao escolher as cores das paredes e teto do ambiente: cores claras refletem melhor e luz e reduzem a necessidade de iluminação artificial.

Como economizar energia

Além das dicas no uso de eletrodomésticos, outras orientações gerais podem ajudar na economia de energia, como trocar instalações elétricas antigas ou que estejam apresentando algum problema.

  • Stand-by

Desligue ou tire da tomada os eletrodomésticos que não estiverem em uso e evite deixar os aparelhos em modo stand-by, que segue consumindo energia.

  • Fuga de energia

Instalações elétricas antigas ou defeituosas podem causar fuga de energia. É importante sempre contar com a avaliação de um eletricista de sua confiança, para garantir o bom funcionamento da rede interna.

Não deixe fios expostos nos telhados, paredes e jardins. Além do risco de choque elétrico, eles são mais suscetíveis às fugas de energia.

Horário de pico

Na última terça-feira (31), o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, voltou a falar sobre a importância da economia de energia e água para que o Brasil consiga passar pela crise no setor sem que seja necessário um racionamento.

O consumo de energia costuma ser maior no período da tarde, quando o calor exige mais dos aparelhos de ar-condicionado, e da noite, quando as pessoas normalmente estão em casa consumindo energia elétrica de luzes e aparelhos eletrodomésticos como televisores, aparelhos de ar-condicionado e outros.

Energia solar

O encarecimento da conta de luz decorrente da situação dos reservatórios aquece a discussão e o interesse dos consumidores por alternativas que permitam a geração da própria energia.

De acordo com Mário Viana, gerente comercial de uma distribuidora de sistemas fotovoltaicos, com cerca de R$ 13 mil é possível adquirir um kit que garanta a geração de 200 kWh (quilowatt-hora) em Fortaleza/mês. Essa geração, porém, depende das condições solares.

No caso de uma residência que possui um consumo de 500 kWh/mês, a instalação de um sistema fotovoltaico fica entre R$ 18 mil e R$ 20 mil.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios

Assuntos Relacionados