Dinheiro esquecido: veja passo a passo de como transferir valores

A partir da próxima segunda (7/3), os cidadãos poderão consultar seus saldos e pedir o resgate de valores na data de seu agendamento

Escrito por Redação,

Negócios
Cédula de R$ 50
Legenda: Consumidores devem acessar o site na data e período previamente informados
Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil

Mais de 26 milhões de consumidores já poderão resgatar os valores 'esquecidos' em bancos, a partir da próxima segunda-feira (7/3). Neste dia, será possível descobrir onde estavam os recursos e como ele foi gerado (ver passo a passo abaixo). 

Desde 14 de fevereiro até o último dia 25, foram 116, 8 milhões de consultas no Sistema de Valores a Receber (SVR) do Banco Central (BC).

Segundo a instituição financeira, 26.164.947 encontraram algum dinheiro abandonado, sendo 25,9 milhões de pessoas físicas, e 243.476 jurídicas. 

No dia 7 de março, inicia a solicitação do resgate dos valores localizados. Para conseguir sacar o dinheiro, o contribuinte deve acessar o sistema na data e hora marcadas pelo Banco Central na primeira consulta. 

Veja o passo a passo para transferir o dinheiro esquecido

1 - Acesse o site valoresareceber.bcb.gov.br na data e período previamente informados. Se você ainda não souber sua data e período, deve visitar o mesmo site e verificar logo, sem esperar o dia 7/3.

2 - Faça o login com sua "Conta gov.br" (nível prata ou ouro) em sistema mantido pelo Ministério da Economia e o Serpro. Se ele ainda não possuir conta nesse nível, deve fazer logo seu cadastro ou aumentar o nível (se sua conta for bronze) no site ou no aplicativo Gov.br. O cidadão não deve deixar esse movimento para o dia do resgate.

3 - Leia e aceite o Termo de Responsabilidade

4 - Consulte: 

  • O valor a receber;
  • A instituição que deve devolver o valor;
  • A origem (tipo) do valor a receber; e
  • Informações adicionais, quando for o caso.

5 - Clique na opção que o sistema indicar:

  • "Solicitar por aqui" significa que a instituição oferece a devolução do valor via Pix no prazo de até 12 dias úteis:
  • Selecione uma das chaves Pix e informar os dados pessoais;
  • Guarde o número de protocolo, se precisar entrar em contato com a instituição.
  • "Solicitar via instituição" significa que a instituição não oferece a devolução por Pix no prazo de até 12 dias úteis: entrar em contato pelo telefone ou e-mail informado para combinar com a instituição a forma de devolução do valor.
  • Importante: na tela de informações dos valores a receber, o cidadão deve consultar os canais de atendimento da instituição clicando no nome dela.

De onde vem o dinheiro?

Nesta primeira etapa da consulta, o total de dinheiro esquecido é de R$ 3,9 bi, considerando os valores das seguintes origens:

  • Contas-correntes ou poupança encerradas com saldo disponível;
  • Tarifas e parcelas ou obrigações relativas a operações de crédito cobradas indevidamente, desde que a devolução esteja prevista em Termo de Compromisso assinado pelo banco com o Banco Central;
  • Cotas de capital e rateio de sobras líquidas de beneficiários e participantes de cooperativas de crédito; e
  • recursos não procurados relativos a grupos de consórcio encerrados.

A partir de maio, mais R$ 4 bilhões começam a ser liberados. Desta vez, eles estarão guardados em: 

  • Tarifas e parcelas ou obrigações relativas a operações de crédito cobradas indevidamente, previstas ou não em Termo de Compromisso com o BC;
  • Contas de pagamento pré-paga e pós-paga encerradas com saldo disponível;
  • Contas de registro mantidas por corretoras e distribuidoras de títulos e valores mobiliários encerradas com saldo disponível; e outras situações que impliquem em valores a devolver reconhecidas pelas instituições.

Como funciona o SRV

Quando feita a consulta pelo site, será possível descobrir se há algum valor a ser recebido e, caso haja, o cidadão terá acesso à data para saber qual a quantia e solicitar a transferência, a partir do dia 7 de março. 

"O BC recomenda que o cidadão volte ao site na data informada. Caso não compareça nessa data, o cidadão terá que fazer uma nova consulta para receber uma nova data para pedir o resgate", informa o BC por nota.

A instituição ressalta ainda que o cidadão nunca perde o direito sobre os valores em seu nome. "As instituições financeiras guardarão esses recursos pelo tempo que for necessário, esperando até que o cidadão solicite a devolução".

Veja como acessar o Sistema Valores a Receber 

  1. Acesse o novo site a partir do dia 14 de fevereiro;
  2. Use o CPF ou CNPJ para consultar se há valores para receber;
  3. Caso positivo, guarda a data que o sistema vai informar para efetuar o resgate;
  4. Para acessar, é preciso ter o login Gov.br. O cadastro gratuito pode ser feito pelo app Gov.br ou pelo site. Você vai precisar de um cadastro Gov.br nível prata ou ouro para solicitar os recursos;
  5. Volte ao site do SVR na data informada e, com o login Gov.br, acesse o sistema para saber o valor disponível e solicitar a transferência; 
  6. Caso perca a data de resgate, volte ao site em outro momento e o sistema vai informar uma nova data para consulta. 

Como tirar o dinheiro

Caso o usuário verifique que tem direito a resgatar algum valor, poderá recebê-lo das seguintes formas:

  • Diretamente via PIX na conta indicada no sistema Registrado, para bancos e instituições financeiras que aderiam a um termo específico junto ao Banco Central;
  • Em um meio de pagamento ou transferência a ser informado pela instituição bancária, nos demais casos. Aqui, o beneficiário informará seus dados de contato no sistema para receber a comunicação. 

Cuidado com golpes

O Banco Central alertou para o risco de fraudes utilizando o nome do  Sistema Valores a Receber (SVR). Veja como evitar cair em golpes:

  • O BC não entra em contato com os cidadãos;
  • Qualquer informação sobre valores a receber só poderá ser obtida a partir de 14/02/2022;
  • A solicitação de resgate no SVR será feita por meio de usuário e senha e os recursos serão transferidos diretamente das instituições financeiras para os cidadãos, que não devem fazer qualquer depósito prévio a qualquer pessoa ou instituição.