Escolha pelo amor une pais e filhos contra preconceitos em histórias de adoção no Ceará

Além da coragem para enfrentar um processo de adoção, mães e pais precisam lidar com discriminação racial, de orientação sexual e contra a pessoa com deficiência

Escrito por Lucas Falconery, lucas.falconery@svm.com.br

Ceará
Familia
Legenda: Natália e Bia encontraram o afeto de mãe e filha durante a pandemia no Ceará
Foto: Thiago Gadelha

O DNA não compreende os vínculos entre mães, pais e filhos adotivos, porque a vontade de amar vai além de laços sanguíneos. Há quem não entenda a beleza dessa escolha em que os preconceitos raciais, de orientação sexual e em relação às pessoas com deficiências se sobressaem.

Famílias cearenses, no entanto, resistem contra essas adversidades em celebração ao desejo de ampliar o afeto. No Dia Nacional da Adoção, marcado nesta quarta-feira (25), o Diário do Nordeste traz histórias de quem escolhe como formar os elos familiares. 

Um desses casos começou no dia 9 de maio de 1993, que carrega muitos significados para Alpha Pompeu. Naquele domingo, Dia das Mães, ela nasceu, foi acolhida nos braços da mãe adotiva, Margarida, e recebida em casa três dias depois.

“Minha mãe é médica, já tinha perdido dois bebês, e teve um processo de adoção interrompido, mas continuou”, conta sobre a chegada na família. O crescimento da menina acompanhou o diálogo sobre essa história e a consciência sobre a adoção.

“Quando eu era menor, me contaram de forma lúdica e sempre me diziam que eu era uma filha do coração”, lembra. Aos 8 anos, “a ficha caiu” em um momento de revolta, mas que não demorou muito, como conta.

Isso porque o afeto e a conexão entre os pais sempre predominou sobre qualquer tipo de diferença. Uma delas sendo a racial. “Eu sou filha de pais brancos, mas eu sou negra e de cabelos cacheados, totalmente fora do padrão da minha família”, frisa.

Quando minha mãe falou que ia adotar uma criança, primeiro veio o processo da minha avó de questionar uma neta que não era de sangue. Ao saber que era uma menina negra, ela surtou. Mas essa menina negra e adotada é a única neta que tem o coração da avó até hoje
Alpha Pompeu
Gastrônoma

Filha e avó se aninharam numa relação de intimidade e logo Alpha se tornou a preferida entre os 10 netos, como dona Gaida diz livremente. Mesmo com Alzheimer, o sentimento pela neta mantém o vínculo forte.

“O amor não tem cor, ultrapassa qualquer preconceito, quando realmente existe. Minha avó tinha preconceitos culturais, mas acabou rompendo isso e diz ‘o amor da minha vida é minha neta’”, frisa.

Alpha e dona Gaida
Legenda: Alpha e dona Gaida estabeleceram vínculo forte no convívio diário
Foto: Arquivo pessoal

Aos 29 anos, Alpha esquece por alguns momentos ser uma filha adotada. “Eu e minha mãe somos parecidas nos cachos e no sorriso. Eu e meu pai somos muito geniosos”, relaciona sobre ter opiniões fortes, traço que compartilha com o pai Francisco Pinheiro.

“O maior aprendizado é que sangue não define conexões, eu posso não ter a mesma linhagem da minha mãe, mas ela já me falou que se tivesse outro filho a conexão não seria tão forte quanto a nossa”, reflete.

Pais de Alpha
Legenda: Pais de Alpha conversaram sobre adoção desde cedo e foram presentes no desenvolvimento da menina
Foto: Arquivo pessoal

Quando a Bia ganhou duas mães

Em busca dessa conexão forte, Natália e Cynthia decidiram ampliar os vínculos do relacionamento, quando a convivência se tornou mais próxima, com a maternidade de uma adolescente.

“Era o comecinho da pandemia e a Cynthia me disse que tinha esse desejo (de adotar) há um tempo, a gente conversou e trancadas em casa tivemos muito mais tempo para pensar. Vimos que era viável e fomos para a fila”, lembra a médica Natália Braga, de 35 anos.

Pouco tempo depois, a casa que ostenta livros na sala, a empolgação do trio de cães Charlotte, Pivas e Dart e o espaço para compartilhar amor, recebeu a filha carinhosamente chamada de Bia, com 13 anos.

Natália, Cynthia e Bia
Legenda: Natália, Cynthia e Bia nasceram como família há pouco mais de um ano quando o processo de adoção foi concluído
Foto: Acervo pessoal

“Ela estava bem ansiosa, porque ela não via a adoção como uma possibilidade, estava no acolhimento e pensava que ia voltar para a família biológica”, explica Natália.

Mas, na verdade, Bia ganhou duas mães. Fontes de amor e de suporte para um desenvolvimento pleno. Ainda assim, essa configuração familiar incomoda ao olhar de quem mantém a discriminação acima do afeto.

“A Cynthia percebeu algumas situações (de preconceito) quando foi resolver a documentação, de ouvir ‘meu Deus, que coisa absurda’”, comenta Natália. Como defesa, ela busca ignorar qualquer forma de desrespeito.

Natália e Bia
Legenda: Natália destaca o exercício da tolerância para conduzir a filha por um bom caminho
Foto: Thiago Gadelha

“Quem vier fazer essa pressão ou julgamento, me afasto independentemente de quem seja. A gente tem um núcleo familiar que está funcionando e o resto não ajuda em nada. A Cynthia fica um pouco sentida, mas depois se acalma”, pondera.

Um casal formado por duas mães ou por dois pais é para ser celebrado. Ou, como refutou Natália a essa afirmação durante a entrevista, “é para ser normal”, com mais casos de famílias geridas por pessoas LGBT+.

“Ser responsável por um ser humano é muito complicado, pelo que vai acontecer no futuro da Bia, a gente conversa muito sobre isso. Acredito que estamos no caminho certo, a gente se ajuda muito”, conclui.

Encontro de mãe, pai e filha

Eliane Carlos de Oliveira e o marido visitavam uma unidade de acolhimento há 10 anos durante uma campanha de doação quando encontraram a filha. Até então, a adoção não era uma escolha do casal. Eliane, por exemplo, já tinha uma filha biológica. Mas naquele dia a situação mudou.

“Eu estive aberta à adoção desde sempre e meu marido achava uma história sem pé e nem cabeça, mas quando ele bateu os olhos na Raíssa simplesmente se encantou com ela”, resgata da memória.

A menina tinha 3 anos na época, mas não andava ou falava devido a uma lesão no cérebro. No caso da adoção de uma criança com deficiência, o casal precisou buscar apoio jurídico em outro estado. Como uma gestação, depois disso, foram necessários 9 meses até a chegada da filha.

Raíssa
Legenda: Raíssa encontrou no esporte uma forma de bem-estar e convívio social
Foto: Arquivo pessoal

“Primeiro a gente teve que se adaptar como casal de ter uma criança em casa e a gente começou a entender a situação de saúde dela para buscar profissionais e uma escola acolhedora”, conta a mãe.

O esforço de Eliane desde então acontece para permitir o crescimento saudável da menina e os preconceitos ficam de lado.

“A forma como a gente encara a situação nunca houve abertura para isso, mas pessoas mais velhas e com menos esclarecimento fazem comentários indevidos. Nunca aconteceu nenhuma situação que causou uma crise para a gente”, frisa.

A gente procurou um esporte, ela participa de uma ONG e além de conviver com outras crianças e jovens adotados, para ela não se sentir diferente, a gente também levou para uma convivência com pessoas com deficiência
Eliane Carlos de Oliveira
Técnica administrativa

 

Assuntos Relacionados