Por que o preço do maracujá subiu tanto em Fortaleza em abril? Entenda

O principal fator foi climático, mas a tendência é de queda a partir dos próximos meses

Escrito por Bruna Damasceno,

Negócios
Pilha de maracujá em exposição em supermercado. Ao fundo é possível ver um extintor e algumas paredes do estabelecimento.
Foto: SVM

O custo do maracujá subiu 33,94% para as famílias neste mês de abril, em Fortaleza, conforme a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor - Amplo (IPCA), divulgada nesta terça-feira (11). Mas por que a fruta foi a vilã da vez?

Segundo o analista de mercado da Central de Abastecimento do Ceará (Ceasa), Odálio Girão, o fruto sofreu a maior elevação devido à chamada quebra de safra. Isso significa que houve uma baixa produtividade da colheita desta cultura agrícola provocada, neste caso, pelo excesso de chuvas.

A condição climática afetou a maior área produtora de maracujá do Ceará, localizada na Serra da Ibiapaba.

Outro fator que contribuiu para a elevação do alimento foi a majoração do custo logístico com a alta dos preços dos combustíveis, já que a fruta também é trazida da Bahia e de Minas Gerais. 

O que esperar 

Odálio pondera que a tendência é um declínio do custo para os próximos meses. 

“A partir de junho, o consumidor poderá esperar boas safras devido às questões das chuvas que vão ajudar, principalmente, os grãos e frutas, como maracujá e a banana. Esse cenário vai amenizar o bolso dos consumidores”, observa. 

Inflação de Fortaleza 

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor - Amplo (IPCA) acelerou para 0,98%, em abril, em Fortaleza. Esse é o maior indicador para o mês desde 2016 (1,02%). Os dados foram divulgados, nesta quarta-feira (11), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Veja todos os itens que ficaram mais caros:

  1. Maracujá: 33,94%
  2. Óleo diesel: 10,58%
  3. Óleo de soja: 10,54%
  4. Táxi: 8,46%
  5. Óleos e gorduras: 8,06%
  6. Antialérgico e broncodilatador: 7,91%
  7. Ovo de galinha: 7,54%
  8. Serviço oftalmológico: 7,28%
  9. Seguro voluntário de veículo: 6,53%
  10. Massa semipreparada: 5,94%

O IPCA calcula a inflação para famílias com rendimentos de 1 a 40 salários mínimos, servindo de referência para as metas de inflação e para as alterações na taxa de juros. Em Fortaleza, os alimentos mais caros para essas pessoas foram: 

  1. Maracujá: 33,94%
  2. Uva: 3,98%
  3. Alface: 3,06%
  4. Mortadela: 2,99%
  5. Laranja-pera: 2,84%
  6. Mamão: 2,67%
  7. Aves e ovos: 2,4%
  8. Arroz: 2,21%
  9. Farinhas, féculas e massas: 2,16%
  10. Cereais, leguminosas e oleaginosas: 2,15%