Campanha Mães da Favela 2021 recebe doações para suprir impactos da pandemia em áreas periféricas

Com a ajuda da sociedade, o projeto da CUFA objetiva auxiliar mulheres chefes de famílias com distribuições de cestas básicas, materiais de limpeza e vale alimentação

foto cufa
Legenda: As mães cadastradas recebem um vale alimentação de R$240 além dos kits doados por benfeitores
Foto: Reprodução/Instagram

Como mecanismo para enfrentar as consequências da pandemia de Covid-19 na periferia das cidades brasileiras, a campanha ‘Mães da Favela’, criada pela Central Única das Favelas (CUFA), comemora o sucesso da edição de 2020 e inicia a temporada de 2021 nesta terça-feira (2). O objetivo segue sendo o mesmo: auxiliar as mães que moram na favela no enfrentamento dos impactos da pandemia, que mesmo após um ano, ainda são severos.

O andamento do projeto conta com doações financeiras, cestas básicas ou materiais de limpeza, imprescindíveis para evitar a contaminação do novo coronavírus. A contribuição pode ser feita por meio da plataforma online da campanha.

As mães cadastradas recebem um vale alimentação de R$ 240, que pode ser dividido em duas parcelas de R$ 120, além dos kits doados por benfeitores. 

Ajuda que alimenta

No ano passado, o programa Mães da Favela contemplou cerca de 1,3 milhão de famílias, impactando mais de 5,5 milhões de pessoas e entregando quase 20 toneladas de alimentos. A ação impulsionou a circulação de aproximadamente R$ 170 milhões em mais de 5 mil favelas de todo o Brasil. No Ceará, foram distribuídas 80 mil cestas básicas e 3 mil cartões ‘Vale Mães'.

Gabriela de Farias, 28, moradora do bairro Barroso 2, foi uma das chefes de família beneficiadas pela campanha em Fortaleza. Desde o início da pandemia, ela segue desempregada, dependendo apenas de pequenos bicos e do salário do marido.

“Quando começou a pandemia eu estava trabalhando, mas eu tive que sair porque as escolas fecharam, e no caso só mora eu, meu esposo e minha bebê”, relembra de quando se demitiu do emprego de cozinheira. 

No antigo cenário, as contas da casa eram todas divididas entre o casal, no entanto, desde o ano passado, ficaram a cargo de uma única renda. “Todo o dinheiro que eu pego com os bicos é para ajudar com contas de água, luz”, relata.

A ajuda do Mães da Favela foi essencial para que a família conseguisse destinar mais dinheiro para as despesas de casa e se desvencilhar de preocupações quanto à alimentação, bem como outros itens domésticos. “Eles me ajudaram com cesta básica, vale alimentação, me ajudou bastante em todos os termos, porque ter as coisas dentro de casa pra gente não passar fome, ainda mais que a gente tem uma filha pequena, foi maravilhoso”, recorda.

Assim como Gabriela, Maria Daniele dos Santos, 38, pretende participar novamente da iniciativa, e até já realizou o pré-cadastro necessário para a edição de 2021. “Quando eles avisam, a gente já fica na expectativa de receber aquele dinheiro, e eu corro e vou direto para o supermercado porque o dinheiro vai só para a alimentação, não vai para outra coisa”, conta. “Se você tem um recurso que você salvou por fora, compra um remédio, e com a alimentação a gente já fica tranquila. Meu armário está cheio, graças a Deus, todo dia. E ainda consegui doar para os meus parentes que estavam precisando dividir o que a gente já tinha”.

Foto Daniele
Legenda: Com a divulgação do projeto nas redes sociais, o auxílio chegou até a família de Daniele
Foto: Arquivo pessoal

A renda da família de Daniele, que também reside no Barroso 2, normalmente vem dos seus trabalhos como autônoma, vendendo tapiocas e revendendo produtos de revistas. Junto com o marido, que é porteiro, o casal arca com as despesas dos dois filhos, um menino de 14 anos e uma menina de 7. "As vendas caíram muito. Ano passado praticamente a gente parou de vender, agora foi que começou a vender, mas depois parou tudo de novo”, informa.

Com a divulgação do projeto nas redes sociais, o auxílio chegou até a família, e mesmo encerrando os meses com um pequeno aperto, as contas de água, luz e aluguel não atrapalharam as compras de alimentos. “Nos ajudou demais complementando uma renda que ficou deficiente porque era diferente quando a gente podia sair na rua, fazer um bico, fazer uma faxina, sempre a gente conseguia mais dinheiro do que isso”, afirma.

“É grandioso, esse trabalho é muito bonito porque tem gente ainda em uma situação muito pior do que eu, que não tem saneamento, que vivia de catar lixo. É uma ajuda muito valorosa”, conclui a autônoma.

Serviço 

Como doar:

CUFA - Central Única das Favelas 
CNPJ:06.052.228/0001-01
Bradesco
Ag.: 0087
C/C: 5875-0

https://www.maesdafavela.com.br/doar

Quero receber conteúdos exclusivos do Dias Melhores