Nome do Centrão, Ciro Nogueira aceita convite de Bolsonaro para ser ministro da Casa Civil

Presidente já tinha antecipado indicação do senador para a Pasta; veja perfil do político e a proximidade com o Ceará

Ciro Nogueira e Bolsonaro em evento
Legenda: Bolsonaro tem buscado se aproximar do Centrão em busca de fortalecimento político
Foto: Isac Nóbrega/PR

O senador Ciro Nogueira (PP-PI) será o novo ministro da Casa Civil. Ele aceitou, nesta terça-feira (27), o convite do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para liderar a Pasta e informou o ato pelo Twitter.

"Acabo de aceitar o honroso convite para assumir a chefia da Casa Civil, feito pelo presidente. Peço a proteção de Deus para cumprir esse desafio da melhor forma que eu puder, com empenho e dedicação em busca do equilíbrio e dos avanços de que nosso país necessita", escreveu o senador.

O próprio presidente já havia antecipado que o parlamentar seria indicado para a Casa Civil. Nogueira é presidente do PP e membro do grupo popularmente conhecido como "Centrão" no Congresso. 

O convite de Nogueira à Pasta é uma estratégia de Bolsonaro, que busca fortalecimento político. Em apelos para o grupo, o presidente busca estreitamento de laços para ganhar votações no Congresso, além de melhorar a relação do Governo Federal com o Senado — a CPI da Covid tem gerado desgastes para o Planalto.

A Casa Civil é um dos ministérios mais importantes do Governo, pois, além de auxiliar na articulação política com o Congresso, participa da coordenação de ações governamentais com outras pastas.

Reflexos no Ceará

Enquanto em Brasília a relação do PP com o governo Bolsonaro seja mais explícita, evidenciando uma polarização com partidos no espectro progressista, no Ceará essa dinâmica se confunde.

O presidente da legenda no Estado é o deputado federal AJ Albuquerque, filho do secretário de Cidades do governo Camilo Santana, Zezinho Albuquerque. Este também é ex-presidente da Assembleia Legislativa.

Zezinho comanda uma pasta estratégica do governo do Ceará. Ele é grande aliado dos Ferreira Gomes, adversários de Jair Bolsonaro no Estado.

AJ Albuquerque é próximo de Ciro Nogueira e Arthur Lira, no plano nacional. Os dois líderes do partido têm sido duas forças aliadas a Bolsonaro em atuação no Congresso Nacional - e agora também no Executivo.

Mesmo aliado ao presidente no Congresso Nacional, o PP de AJ mantem alianças com as mais diversas forças políticas no Estado. Ciro Nogueira mantém relações com o grupo governista no Ceará.

Quem é Ciro Nogueira

Filho e neto de políticos, Ciro Nogueira tem 52 anos e é considerado um "político profissional". O parlamentar é empresário e formado em Direito, tendo declarado à Justiça Eleitoral, nas últimas eleições, bens avaliados em R$ 23,3 milhões.

Nogueira é membro do Congresso desde 1995, quando foi empossado, aos 26 anos, como deputado federal. Embora tenha passado quatro mandatos na Câmara e esteja no segundo mandado como senador, esta será a primeira vez em que assume um cargo no Executivo.

O político já apoiou governos petistas e o do ex-presidente Michel Temer (MDB), mas se aproximou de Bolsonaro em meados de 2020. A partir daí, passou a fazer parte da comitiva do presidente em viagens ao Nordeste para inauguração de obras e virou um dos principais defensores do chefe do Executivo no Congresso.

Outras mudanças

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, a ida de Ciro Nogueira ao Planalto não deve ser a única mudança no primeiro escalão do Governo. 

O piauiense ocupará a vaga do general Luiz Eduardo Ramos, que deve ir para a Secretaria-Geral da Presidência, ocupada por Onyx Lorenzoni atualmente.

Já Onyx deve ser titular do Ministério do Emprego e Previdência, o qual deve ser recriado com o desmembramento do Ministério da Economia.

A avaliação de parlamentares, principalmente do Centrão, é de que o general Ramos falha na articulação com o Legislativo, brecando em demandas como liberação de emendas de senadores e deputados.