Segunda onda não deve ter impactos na economia cearense, preevem Estado e setor produtivo

Empresários e representantes do Governo do Estado, mercado local não deverá ser tão impactado em caso de uma nova onda de contaminação pelo coronavírus

Legenda: Representantes do setor afirmam que já sabem lidar com a pandemia
Foto: Helene Santos

Mesmo após a confirmação na Europa e indícios de que uma segunda onda da pandemia do novo coronavírus possa chegar ao Ceará, representantes do setor produtivo e do Governo do Estado minimizaram a preocupação relacionada a novos impactos na economia cearense.

O secretário do Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Maia Júnior, afirma que os indicadores de saúde estão estáveis. “Estive com o Dr. Cabeto e ele disse que os índices estão sob controle. Nós estamos com um rígido controle e trabalhando com responsabilidade. O que me preocupa nessa segunda onda na Europa são reflexos que serão sentidos no Brasil, como redução nos investimentos, quedas nas bolsas de valores e variação cambial”, disse.

O vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), André Montenegro, aponta que agora as autoridades já estão preparadas para lidar com a situação, assim como setor privado. 

“Nós já sabemos conviver com a pandemia agora. Acredito que não vá prejudicar tanto a economia”, afirma.

Já o presidente do Sindicato do Comércio Varejista e Lojista de Fortaleza (Sindilojas), Cid Alves, projeta que não haverá mais medidas de isolamento rígido no Ceará. 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios

Assuntos Relacionados