Bonde Elétrico da Av. Beira-Mar terá capacidade para até 230 pessoas; saiba mais sobre o projeto

Secretário revela detalhes de como o equipamento irá funcionar

Foto: Foto: Fabiane de Paula

Fortaleza irá ganhar um novo ramal de transporte. Por R$ 214,8 milhões, o Governo do Estado abriu licitação para a construção de um bonde elétrico que ligará o Mercado dos Peixes ao Centro da Capital. O secretário da Infraestrutura do Estado, Lúcio Gomes, esclareceu, no entanto, que o equipamento não irá substituir outros meios de transporte.

> Beira-Mar terá bonde elétrico turístico; com investimento de R$ 214 milhões, governo lança edital

O bonde, segundo ele, irá complementar a infraestrutura da Cidade e tem um caráter de incentivar o turismo. "Ele tem essa característica de propiciar mais infraestrutura, alavancar mais o turismo. Não é um empreendimento que vem para substituir o ônibus, por exemplo, como equivocadamente poderia-se pensar. Nós não vamos substituir os ônibus. Ele vem percorrendo um traçado novo para estruturar melhor o turismo", esclarece.

Gomes relata que o bonde passará por pontos como a Praia de Iracema, Centro Cultural Dragão do Mar, Mercado Central e o Centro Histórico.

Energia

"A alimentação do bonde será feita por baterias e/ou supercapacitores. Aquela alimentação elétrica aérea que já existiu aqui, inclusive no Ceará, não será implantada, porque nós vamos percorrer uma área, e aí vem a finalidade do projeto, que é essencialmente turística", aponta.

Ele detalha que a alimentação do equipamento também será feita através de frenagem, dispositivo que transforma a energia liberada durante a freagem em energia elétrica. "Ele vai recarregando as baterias (através da frenagem) e quando chega nas paradas, tem a alimentação, em 20-30 segundos, enquanto os passageiros descem e sobem, ele complementa a carga da bateria", explica o titular da Seinfra.

Janelas panorâmicas

Outro diferencial do bonde será a presença de janelas panorâmicas que permitam a observação da vista durante o trajeto. O equipamento terá entre dois e três carros, o que permitiria transportar cerca de 230 passageiros.

Gomes ainda revela que o equipamento irá dividir espaço no calçadão da Beira Mar com ciclistas e até mesmo pedestres. Isso porque contará com um dispositivo que detecta obstáculos e por trafegar em baixa velocidade, de cerca de 20 km/h. A característica dos trilhos do bonde também é outro fator que permite o compartilhamento do espaço, tendo em vista que ele será rente ao chão.

Concluída a instalação, o ramal será operado pelo Metrofor, segundo o secretário. "A contratação aberta não envolve concessão, é apenas a implantação e a operação assistida. Depois que entrar na operação comercial, quem vai operar é o Metrofor, que é a empresa cearense que tem expertise em operar os sistemas metroviários do Ceará", afirma.

Prazos

O recebimento das propostas dos interessados na licitação irá iniciar em 28 de janeiro. Conforme os prazos estabelecidos em lei para as etapas, o processo deve levar pelo menos um mês para ser concluído. As obras devem durar cerca de 15 meses a partir da assinatura da ordem de serviços.

Gomes acredita que a pandemia do novo coronavírus não deve interferir no cronograma estabelecido. "Todos nós esperamos que esse ano de 2021 traga evolução mais positiva e esperamos que em breve a vacinação se inicie, como em vários países que já estão nesse processo. A obra propriamente dita não deve ser atrapalhada pela pandemia. Porque, inclusive, é a céu aberto, todos os cuidados e protocolos serão facilmente estabelecidos, e serão fiscalizadas", avalia.

Um fator que poderia interferir na data de conclusão, no entanto, é a importação dos equipamentos necessários, como os de rolagem. "Mas as fábricas de fora também já estão com suas linhas de produção em curso. Acredito que pandemia não vá prejudicar nada não", acrescenta.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios

Assuntos Relacionados