Prefeitura seleciona startup para gerir coleta seletiva com triciclos em Fortaleza; veja locais

A empresa, se escolhida, irá propor um plano de trabalho e uma metodologia para viabilizar o recolhimento dos resíduos sólidos por meio de 10 triciclos de carga

Escrito por Thatiany Nascimento, thatiany.nascimento@svm.com.br

Ceará
triciclo catador fortaleza
Legenda: A Prefeitura indica que os catadores e as associações que irão participar do projeto devem estar credenciados no projeto Reciclo.
Foto: Divulgação Prefeitura de Fortaleza

A Prefeitura de Fortaleza está em processo de escolha de uma startup que irá elaborar e executar um projeto piloto de um sistema de coleta seletiva de resíduos sólidos com triciclos operados por catadores associados. Na ação experimental, a área escolhida abrange trechos de 6 bairros: Praia da Iracema, Meireles, Aldeota, Centro, Mucuripe e Varjota. 

A gestão municipal convocou as empresas em uma licitação na modalidade edital, aberto entre o dia 8 de abril até a última quarta-feira (10). Os documentos foram entregues nesta semana, por uma única empresa interessada, e estão em análise pela Prefeitura. 

Na prática, a empresa, se escolhida, dentre outras ações, irá propor um plano de trabalho e uma metodologia para viabilizar o recolhimento dos resíduos sólidos no território definido, utilizando, inicialmente, 10 triciclos de carga. 

A  startup também deve propor rotas para os triciclos baseada em indicadores como: geração de resíduos, densidade populacional e presença de infraestrutura de coleta. 

Áreas de bairros escolhidos

A área estabelecida para o projeto piloto engloba trechos de 6 bairros e tem os seguintes limites:

  • à oeste pela Av. Dom Manuel, R. Almirante Jaceguai e R. Almirante Tamandaré;
  • à leste pela Av. Almirante Henrique Sabóia (Via Expressa);
  • ao sul pela Av. Santos Dumont. 

115
Mil habitantes moram no perímetro do projeto piloto, e em cerca de 41.500 unidades habitacionais, segundo a Prefeitura. 

A definição desta área, justifica a Prefeitura no documento, ocorreu por ser um dos territórios de maior densidade da cidade e potencial de produção de resíduos recicláveis, como papel, plástico, metal e vidro. Outro característica é possuir grande concentração de estabelecimentos comerciais, gastronômicos e de serviços. 

projeto piloto
Legenda: Área definida no edital para receber o projeto piloto de coleta seletiva
Foto: Imagem do Edital

A área tem ainda 2 ecopontos nas extremidades, um no Centro e outro na Varjota. Esses ecopontos devem ser utilizados no projeto piloto, para ajudar na logística de coleta, transporte e armazenamento de recicláveis.

Conforme o edital, a startup deve, dentre outras obrigações: 

  • Apoiar os catadores com cessão de EPI's e ajuda financeira sem ônus para a Prefeitura Municipal de Fortaleza;
  • Prospectar apoio publicitário, patrocínio e investimento privado em impacto social, como forma de captação de recursos para o projeto, sem contrapartida financeira pela Prefeitura; 
  • Capacitar os catadores necessários para coleta, transporte e tratamento de resíduos utilizando triciclos de carga; 
  • Desenvolver uma Plataforma Digital que permita a geração, monitoramento e gestão de dados e indicadores; 
  • Monitorar e coletar os indicadores definidos juntamente com a Prefeitura 
  • Propor um modelo de Ponto de Entrega Voluntário, e, se aprovado pela Prefeitura de Fortaleza, implementar uma prova de conceito, em caráter experimental, na região do projeto piloto; 

Em contrapartida, a Prefeitura irá: 

  • Ceder 10 triciclos, podendo esta quantidade ser redimensionada em função das avaliações parciais do projeto piloto; 
  • Disponibilizar espaço nos ecopontos específicos do projeto piloto; 
  • Instalar nesses ecopontos câmeras de videomonitoramento, com acesso remoto para a Secretaria Municipal de Segurança Cidadã; 
  • Permitir que a contratada explore publicidade nos equipamentos e infraestruturas envolvidas nos projetos, como envelopamento dos triciclos, fachadas dos ecopontos exclusivos do projeto, materiais publicitários, dentre outros; 
  • Permitir que a contratada implante equipamentos de coleta seletiva e pontos de entrega voluntários no espaço público, restrito à área do projeto piloto;

Necessidade do projeto-piloto

No edital, a Prefeitura informa que, em números aproximados, o sistema de coleta pública de resíduos em Fortaleza, considerando os vários tipos e equipamentos, trabalha com um volume de 130 mil toneladas de resíduos por mês.

Nos 2 últimos anos, diz o documento, Fortaleza, em parceria com a agência de cooperação alemã Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) e o Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), testou no Projeto Re-ciclo, o uso de triciclos de carga, elétricos e mecânicos, para otimizar o volume de recicláveis coletados e melhorar as condições de trabalho de catadores. 

Mas, a experiência constatou que, além de garantir o uso dos triciclos, é necessário ter outras frentes de atuação, como: definir rotas otimizadas, monitorar o trabalho com indicadores e aprimorar o engajamento de catadores das associações em maior escala. Por isso, é preciso escolher a empresa que irá implantar, operar, monitorar e avaliar essa logística.