Mestra Zulene Galdino e a força da mulher na cultura popular: “Se não vem nosso direito, o Brasil perde também"

Aos 72 anos, ela reforça a importância das mulheres não desistirem dos espaços culturais

Legenda: Mestra Zulene Galdino é conhecida como a "Rainha da Cultura e do Folclore", no Crato
Foto: Fabiane de Paula

— Alô, museu da mestra Zulene, boa tarde! - diz a voz do outro lado do telefone, em uma ligação que conecta a repórter de Fortaleza ao município do Crato, no Cariri cearense. 

O celular nem pertence a ela, pois não é muito afeita às tecnologias. Mas o discurso para responder aos interessados em seu trabalho, por meio do aparelho da sobrinha Josy, está sempre na ponta da língua.

“Meu nome é Zulene Galdino, nome artístico Mestra Zulene. Tô aqui agradecendo a Deus e o convite das pessoas para eu vir me apresentar”, introduz, assim como faz na abertura dos eventos culturais para os quais é convidada.

Dessa vez, ela é uma das escolhidas para contar sua história no Projeto Elas, iniciativa do Sistema Verdes Mares em prol do fortalecimento da luta das mulheres na manutenção de seus direitos e também do reconhecimento de suas conquistas.

Com 72 anos, Mestra Zulene acredita que tem no máximo 10. Até porque, é com a criançada que ela mais convive, ensinando a dançar quadrilha, pastoril, coco e maneiro-pau. 

Foram essas habilidades, aliás, que lhe conferiram, em 2006, o reconhecimento de Mestra pela Secretaria de Cultura do Estado do Ceará. “Mas eu já nasci assim”, avalia.

Mestra Zulene, 2018
Legenda: Mestra Zulene Galdino, no Encontro Mestres do Mundo 2018
Foto: Thiago Nozi

Aprendeu muito com o pai, Luiz Galdino, do qual herdou o amor por esses saberes e alguns traços indígenas. “Era um pessoal tudo abençoado, animado”, recorda da família paterna, lembrando que mãe e pai eram primos.

“Na noite de São João, eles passavam a noite brincando coco de roda, aí eu tinha muita vontade de aprender também”. Tanto que absorveu e segue até hoje transmitindo, segura de que as crianças só não darão continuidade à tradição se não quiserem.

De portas abertas

É na Vila Nova Horizonte, no bairro Granjeiro, que está localizada a casa onde habita. A estrutura, adaptada como museu orgânico em 2019, é bem diferente das construções de palha em que cresceu, no pé da serra do Araripe. 

Natural de Arajara, em Barbalha, foi mesmo no Crato que Mestra Zulene desenhou a maior parte da trajetória como “Rainha da Cultura e do Folclore”. Rezadeira, diz ter aprendido sobre cura com uma “caboclinha da mata”, nas lendas também conhecida como Caipora.

“É assim que o povo me chama, de Rainha. Todo mundo dá valor a minha cultura. Agora, tem outras pessoas que não sabem o que é, né, aí não estão nem aí, mas quando eu vou me apresentar, todo mundo corre pra ir assistir, porque gosta muito”, orgulha-se.
Zulene Galdino
Mestra da Cultura do Ceará

Com a pandemia de Covid-19, a rotina foi drasticamente alterada. A casa-museu fechou e os ensaios com as crianças também foram suspensos.

“Ave maria, ruim demais, fiquei com medo e peguei até ansiedade, acredita? Mas já tô boa, fui vacinada, tô saindo, tá ótimo”, conta ela.

mestra zulene na porta da sua casa museu
Legenda: Aberto em 2019 em sua própria casa e fechado em 2020 pela pandemia, o museu orgânico voltou a funcionar em setembro de 2021
Foto: Fabiane de Paula

Em setembro, reabriu o museu orgânico para visitas, e, em outubro, fez até uma atividade para o Dia das Crianças. Além disso, já tem programado para os meses de novembro e dezembro as apresentações de Lapinha.

“As mães e pais ficam felizes demais. Quando tem alguma apresentação, terreirada, eu convido eles para verem os meninos dançando e ficam tudo satisfeito. Agradeço a Deus e a eles, porque confiam as crianças na minha mão”, diz.
Zulene Galdino
Mestra da Cultura do Ceará

É que no passado, a maioria dos adultos já esteve sob seus cuidados também. Assim, é como se Mestra Zulene carregasse uma legião de filhos, ainda que não tenha tido nenhum biológico. Criou três com a ajuda do esposo, Zé Miúdo, unida em matrimônio há 46 anos, e ajudou a educar algumas centenas. “Os filhos dos outros são também meus”, enfatiza.

Ela começa a receber os pequenos ainda bebês para participar das atividades culturais. “Entra até com 2 meses, para ser o Menino Jesus na Lapinha viva. Depois fica até 10,12 anos. Passou disso, quando começam a namorar, eu mando pra casa dos pais”, adianta.

Tecnologia é outra coisa que ela não administra nos ensaios. As crianças já são avisadas a deixar o celular em casa, porque, se não for assim, nem tem brincadeira.

O terreiro é sala de aula. E assim como ensina, a Mestra aprende um pouco com cada criança que passa por lá. "Tô até começando a ler com eles, porque eu sei bem pouco, viu?", admite.

Cultura como um direito

Com uma vida toda dedicada à cultura, ela reconhece os desafios da área, especialmente neste momento de pandemia. Mas não perde o entusiasmo, aproveitando essa força para incentivar outras mulheres com atuação nos espaços culturais.

mestra zulene em seu museu orgânico
Legenda: Nas paredes da casa-museu, estão registros da trajetória inteiramente dedicada à cultura
Foto: Fabiane de Paula

“Não vamos deixar a nossa cultura cair não, porque ela é uma tradição de um povo brasileiro que gosta muito. Precisamos cada vez mais de apoio pra gente continuar”, introduz.

E, dialogando com esse discurso, a Mestra canta uns versos no ritmo do maneiro-pau:

“Nosso direito vem, nosso direito vem/ se não vem nosso direito, o Brasil perde também”.

Por entender a cultura popular e o folclore como ideias cultivadas no berço do mundo, ela convida as mulheres a ninar essas práticas, num processo semelhante ao que fazem com as crianças. 

“Meu pai dizia que através da brincadeira, acaba a tristeza. E é mesmo, é uma tradição muito animada, alegre, saudosa, boa demais”, finaliza, convicta de que só o que é ruim deve ter um fim.












 

 

 
Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?