Valor do salário mínimo ideal é de R$ 5,8 mil, aponta Dieese

Na capital cearense, preço da cesta básica é de R$ 563,96

Escrito por Redação,

Negócios
Legenda: Valor ideal é 5 vezes superior ao praticado atualmente no Brasil
Foto: Diário do Nordeste

Com o aumento do valor da cesta básica, o valor do salário mínimo ideal é de R$ 5.886,50, ou seja, mais de cinco vezes do piso nacional atual, conforme informações do levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). 

O valor é considerado a partir da cesta mais cara, de Florianópolis, que atingiu R$ 700,69 no mês de outubro e para uma família de quatro pessoas composta por dois adultos e duas crianças. 

Na capital cearense, o preço do conjunto de 12 produtos de subsistência básica avançou 2,15% em relação ao mês anterior, custando R$ 563,96, representando 55,43% do salário mínimo líquido atual.  

Para isso, o Dieese aponta que o fortalezense teve de trabalhar 112 horas e 47 minutos em um mês para desembolsar as quantidades adequadas para uma família padrão. 

Tempo médio nacional 

O levantamento mostra ainda que o tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta, em outubro, ficou em 118 horas e 45 minutos, maior do que em setembro, quando foi de 115 horas e 02 minutos.

Na capital mais cara, Florianópolis, os trabalhadores precisam desprender 140 horas e 8 minutos. 

"Quando se compara o custo da cesta com o salário mínimo líquido, ou seja, após o desconto referente à Previdência Social (7,5%), verifica-se que o trabalhador fortalezense remunerado pelo piso nacional comprometeu, em outubro, 55,43% do salário mínimo líquido para comprar os alimentos básicos para uma pessoa adulta. Em agosto, o percentual foi de 54,25%".