Saiba a diferença entre Pix, TED e DOC

Nova plataforma de pagamentos já superou a marca de 50 milhões de chaves cadastradas no País, mas ainda gera dúvidas entre os futuros usuários

Imagem de uma pessoa manuseando o smartphone
Legenda: Assim como TED e DOC, o usuário também poderá fazer o Pix pelo aplicativo para smartphone do banco no qual possui conta
Foto: Divulgação

As dúvidas sobre o Pix, a nova plataforma de pagamentos do Banco Central (BC) têm crescido tanto quanto o cadastro de chaves pelos usuários. O número já ultrapassou a marca de 50 milhões, ao mesmo tempo que já foram 762 instituições aprovadas pelo BC.

Mas uma das dúvidas que ainda atormenta os futuros usuários do Pix é a diferença desta nova maneira de fazer pagamentos e as que já existem: TED e DOC. Confira a explicação do Banco Central:

Qual a diferença entre o Pix e o DOC?

Segundo o BC, as mesmas diferenças existentes entre o Pix e a TED se aplicam para o DOC.  A única especificidade é que a disponibilização do DOC para o recebedor é ainda mais demorada do que no caso da TED: o DOC só é disponibilizado no dia útil seguinte ao momento da sua iniciação.

Qual a diferença entre o Pix e o TED?

Para quem vai realizar o pagamento, na Transferência Eletrônica Disponível (TED), o pagador precisa conhecer e digitar os dados do recebedor, como seu banco, o número da agência, o número da conta, o tipo da conta e seu CPF ou CNPJ. Já no Pix, o pagador precisa apenas dar um clique na informação da chave que já está armazenada no celular; ou ler o QR Code do recebedor. No Pix, o pagador também será sempre notificado em relação a conclusão da transação bancária, inclusive em casos de insucesso. 

Já do ponto de vista do recebedor, no TED, apesar de os recursos estarem disponíveis no mesmo dia, o momento dessa disponibilização é incerto. Com o Pix, os recursos ficam disponíveis na conta em poucos segundos e o recebedor é notificado.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios