Jovens enfrentam dificuldades financeiras com escalada da inflação; especialistas dão dicas

O controle de gastos é a peça fundamental para melhorar a relação do jovem com o dinheiro

Escrito por Redação,

Negócios
Legenda: Bárbara Tavares teve que cortar várias despesas em 2022
Foto: Kid Júnior

Houve um tempo em que festa era sinônimo de juventude. Entretanto, com a escalada de preços em diversos âmbitos, os jovens precisam se reorganizar quanto ao controle financeiro.

A questão é que o manejo dos gastos não costuma fazer parte da rotina dos jovens. É o que revelou uma pesquisa, ainda em 2019, do SPC Brasil onde 47% das pessoas da chamada Geração Z, com 18 a 25 anos, não faziam controle de seus gastos. 

As justificativas para a falta de controle das finanças vão de não saber fazer (19%), à preguiça (18%), falta de hábito ou disciplina (18%) e não ter rendimentos (16%). 

Para a educadora financeira e economista, Juliana Barbosa, essa falta de controle dos gastos, explicitada pela pesquisa, piorou com os anos e atribui isso a ausência de educação financeira ainda na infância. 

"Não falamos sobre finanças na infância, nem na adolescência e temos adultos que não entendem o que fazer com o primeiro salário. Ainda temos as redes sociais influenciando o consumo exagerado, o que antecipa as necessidades deste público", alerta.

Juliana ainda relata ser preciso adaptar os gastos, dependendo da realidade de cada jovem. "Cada caso é um caso, há quem consegue conciliar melhor um ponto e outros, não podem. É preciso escancarar a necessidade individual e trabalhar em cima disso", destaca.

Veja abaixo o caso de duas jovens que relatam os problemas financeiros com as altas dos preços. Além disso, confira as dicas da economista, Juliana Barbosa, para conseguir organizar o bolso neste momento.

"Não consigo ter dinheiro para lazer"

Este ano, eu não estou saindo. Como tudo aumentou, cada saída gasta muito dinheiro. Ainda não saí nenhuma vez neste ano"
Bárbara Tavares
Monitora do programa Aprender Mais

Essa declaração de Bárbara Tavares, de 24 anos, é muito comum para os jovens que estão vivendo a escalada da inflação.

Transporte, gasolina, alimentação, bebidas. Todos esses itens viraram artigos de luxo para os jovens que também precisam cuidar de uma casa. 

No caso de Bárbara, morar sozinha não foi uma opção dela, mas teve que assumir a missão ainda em 2018. Até 2021, era possível conciliar as despesas e o lazer, mas em 2022 foi necessário cortar várias despesas

"Na alimentação, cortei lanches e qualquer doce, foquei em conseguir comprar alguma mistura. A luz eu já evito ligar para tentar amenizar o valor. Água, utilizo o mínimo possível e ainda vem R$ 60", explica. 

Inclusive, para alimentação, Bárbara ainda separa o mesmo valor, cerca de R$ 200. Entretanto, ela destaca que não é mais possível voltar com a mesma quantidade de produtos. 

"Mantive os R$ 200 destinados à alimentação, mas diminui o que eu como. Não posso gastar mais do que o valor que eu tenho. Às vezes, tenho que gastar mais e passa no crédito porque acaba antes do final do mês", conta.

É possível organizar as finanças e sobrar dinheiro para o lazer?

De acordo com a educadora financeira, Juliana Barbosa, é preciso ser criativo na hora de ter o lazer com pouco investimento.

"Chama os amigos para a casa, cada um leva um prato. Ou, faça interação ao ar livre. Caso queira realmente sair, é importante escolher um local mais em conta. Já o cinema, há dias mais em conta e que cabem no orçamento", conta.

Apesar da dificuldade de organizar o dinheiro para o lazer, Juliana destaca a importância de conseguir um momento para descansar da rotina

"Foram dois anos em que ficamos isolados e isso já mexeu com nosso humor e nossa saúde mental. Então, é preciso sair, mas com responsabilidade com os gastos", diz.

"Preciso organizar as contas com meu namorado para não ficar pesado só para um"

Há quase um ano, Bruna Dias, de 23 anos, natural de Pindoretama, na Região Metropolitana de Fortaleza, decidiu arrumar um emprego em Fortaleza. Com a aprovação no processo seletivo em uma vaga de operadora de telemarketing, chegou a hora de se mudar para a capital.

Para ajudar nos custos da nova moradia, a jovem optou por alugar uma casa junto com o namorado. A expectativa era de que conciliar as contas seria tranquilo. E foi. Mas, só até janeiro de 2022. 

Este ano, estamos passando por algumas dificuldades em relação a dinheiro mesmo. Ano passado, conseguíamos nos organizar bem. Hoje, não tem a mínima condição de você viver bem, ter o dinheiro das contas, do lazer, da emergência diante desses aumentos".
Bruna Dias
Operadora de telemarketing

Uma das principais dificuldades de Bruna Dias é quanto à organização das contas junto ao namorado. "Fazemos uma espécie de rodízio. Um mês ele paga as contas X e no outro mês, outras. Preciso organizar para não ficar pesado só para um", explica.

Mesmo com a organização, a jovem vê o poder de compra do seu salário ser corroído pelas contas e os sucessivos aumentos, principalmente, do serviço de energia elétrica.

"Eu sinto que agora morando sozinha, mesmo dividindo com meu namorado, eu tenho minhas milhares de contas para pagar e eu só trabalho para pagar isso. Lazer mesmo, fica só nos sonhos", conta.

Bruna 1
Legenda: Bruna mora há um ano em Fortaleza
Foto: Kid Júnior

Alimentação é outra adversidade para Bruna. Com o aumento dos produtos essenciais na mesa do brasileiro, é preciso elencar as prioridades na hora do pagamento. Na casa de Bruna, as contas são prioridades. 

"Está tudo muito caro, feijão, arroz, óleo, as misturas: frango, carne, nem se fala. Antes, a gente dava prioridade para coisas pra gente e na alimentação. Hoje a gente dá prioridade para nossas contas. Quando a gente paga uma conta, a gente fica tão feliz. Então, vamos remanejando o que dá para comer. Feijão? Só duas vezes por semana", relata.

Como se organizar para dividir as contas em um relacionamento?

Para ajudar na organização do casal, a educadora financeira e economista, Juliana Barbosa, ressalta que a alimentação sempre pode ser um dos principais desafios

Cada semana os preços aumentam. Óleo de soja, café, arroz. Como lidar com isso? Aqui não tem jeito, tem que fazer pesquisa de preço e ir pro mercado com uma lista".
Juliana Barbosa
Educadora financeira e economista

Escolher o dia certo para ir ao mercado também pode ser uma forma de economizar, segundo Juliana. "Evite ir no fim de semana, na quinzena ou no final do mês, os supermercados variam muito os preços nesses períodos", aconselha.

Quanto às contas de luz, o ideal é ir racionando o consumo de energia durante o dia. "Aquelas dicas já conhecidas. Tirar da tomada os eletrodomésticos que não forem necessários nas próximas horas, checar que as luzes estão desligadas corretamente, entre outros", diz Juliana.

Dicas de organização financeira

Juliana elencou ainda uma série de dicas que podem melhorar a relação do jovem com o dinheiro, entre elas:

  • Ter sempre em mente: gaste menos do que ganha;
  • Saia das dívidas o mais rápido possível;
  • Pense em investir o quanto antes;
  • Há diversos aplicativos de controle financeiro que vão te ajudar;
  • Não compre por impulso;
  • Não ignorar pequenos gastos do dia a dia;
  • Investa em capacitação para melhorar a fonte de renda.

Assuntos Relacionados