Indústria química planeja volta

Expectativa é de que o setor químico retorne com 38,8% da capacidade

Legenda: Cenário pode afetar grandes importadores de insumos da China, como a indústria química e de energia renovável
Foto: FOTO: SAULO ROBERTO

Embora não tenha sido completamente parada durante as restrições das atividades econômicas, alguns segmentos da indústria química, como o de plásticos e tintas, já iniciaram as preparações para o retorno. A expectativa é de que o setor químico retorne com 38,8% da capacidade.

"O setor está totalmente preparado para a retomada com garantia de segurança ao colaborador", diz Marcos Soares, presidente do Sindicato das Indústrias Químicas, Farmacêuticas e da Destilação e Refinação de Petróleo no Ceará (Sindiquímica).

De acordo com Soares, o Senai e o IEL estão preparando cursos de ensino a distância (EAD) para as empresas se prepararem para o retorno. "Nós sempre trabalhamos com EPIs, máscaras. Agora, estamos fazendo testes com os colaboradores para que eles possam trabalhar com segurança", aponta.

Ele pondera que o segmento de tintas, com grande peso na indústria local, acabou sendo um dos mais prejudicados, uma vez que concorrentes de outros estados não pararam. "Os cearenses acabaram comprando dessas indústrias, que irão aumentar sua participação no pós-crise. Nossa esperança é que o Governo libere o setor de tintas, que tem mais de 30 indústrias, gerando cerca de 5 mil empregos diretos".