Indústria do Ceará vai ofertar cursos para preparar mão de obra em energia renovável; veja áreas

Investimentos no estado no hub de hidrogênio e outras fontes demanda profissionais especialistas para atuar

Escrito por Lívia Carvalho, livia.carvalho@svm.com.br

Negócios
Legenda: Evento de lançamento aconteceu nessa segunda-feira (23)
Foto: Divulgação

Em meio aos investimentos do hub de hidrogênio verde e de outras energias renováveis no Ceará, a indústria lançou nessa segunda-feira (23) o Centro de Excelência de Transição Energética para tornar a mão de obra capacitada para trabalhar com as diferentes demandas do setor energético no estado nos próximos anos.  

O projeto é uma parceria entre a Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai-CE), o Serviço Social da Indústria (Sesi-CE) e quatro empresas que atuam na área, Enel, Aeris Energy, Maersk Trainning e Agência de Cooperação Alemã (GIZ).  

No espaço, que será construído na unidade do Senai da Barra do Ceará, as empresas vão poder trabalhar integradas na capacitação dos profissionais. O diretor regional do Senai e Superintendente do Sesi-CE, Paulo André Holanda, explica que a demanda pelos cursos pode acontecer tanto por parte das empresas parceiras quanto pela sociedade em geral.

“Estamos consolidando todo esse ecossistema dentro da unidade do Senai, voltado principalmente para as energias renováveis e para o hidrogênio verde. Vamos poder trabalhar diretamente com as empresas parceiras capacitando os profissionais já contratados e ainda o público em geral”, afirma.  

O presidente da Fiec, Ricardo Cavalcante, destaca ainda a capacidade que o Ceará tem de produção energética renovável, bem como a importância do hidrogênio verde para a economia cearense.  

O que deixa a gente muito feliz é a capacidade que o Ceará hoje tem, quem tem a ganhar com isso é a sociedade e as empresas cearenses. O Sistema Fiec não poderia, de forma nenhuma, ficar de fora desse processo, então atuaremos com essa capacitação”.  
Ricardo Cavalcante
presidente da Fiec

Lacuna na mão de obra  

Holanda aponta que foi realizado uma pesquisa com as empresas do setor para que se identificar as principais demandas, que são: segurança do trabalho para parques eólicos; manutenção de aerogeradores; e inspeção e reparo de pás eólicas.  

É um momento divisor de águas, porque as indústrias quando vêm para se instalar no Ceará perguntam se há mão de obra qualificada local e temos um gap, uma lacuna. Agora não, quando elas chegarem já vamos ter profissionais capacitados”. 
Paulo André Holanda
diretor regional do Senai-CE

De acordo com Holanda, o Centro já tem disponibilidade para entrar em operação conforme as demandas das empresas parceiras, mas o prédio na Barra do Ceará ainda será construído e tem as obras previstas para iniciarem no próximo mês. 

Veja as áreas dos cursos 

  • Energia solar; 
  • Energia eólica; 
  • GPD (Geração e Produção distribuídas); e  
  • Hidrogênio verde.  

Legenda: Centro funcionará em parceria com quatro empresas do setor energético
Foto: Divulgação

Estrutura de capacitação 

A estrutura para o Centro é formada também pelos investimentos das empresas parceiras. Conforme notificado pelo colunista do Diário do Nordeste, Egídio Serpa, a Aeris doou uma pá eólica, a Maersk Trainning fornece expertise na qualificação de pessoal e a GIZ investe R$ 14 milhões para a aquisição de equipamentos para as bancadas das salas de aula.  

Além disso, o Centro já conta com uma subestação abaixadora doada pela Enel e na qual, por meio de aulas práticas, são formados os alunos do curso de eletricista.  

Transição energética  

Para o presidente do Sindicato das Indústrias de Energia e de Serviços do Setor Elétrico do Estado do Ceará (Sindienergia-CE), Luís Carlos Queiroz, a capacitação é fundamental para o estado, e já há 400 profissionais em treinamento para atuar com a energia solar pelo Senai-CE.  

"Esse tripé de universidade, de conhecimento, do empresário participando e o Governo fazendo também o papel dele é fundamental para transformar o Ceará nesse momento tão importante. Na semana, a governadora assinou o decreto que institui o Plano Estadual de Transição Energética”.  
Luís Carlos Queiroz
presidente do Sindienergia-CE

Conforme Queiroz, esse decreto ratifica o compromisso do governo em descarbonizar as produções energéticas e industriais. “É uma transição desse modelo poluente que temos hoje, principalmente europeu, visando ao mercado de fora, a questão da mobilidade que ainda utiliza muitos combustíveis de derivados fósseis, por exemplo”.  

Além dos cursos que serão ofertados, o presidente do Sindienergia-CE acrescenta que está sendo ofertada uma formação de eletricistas voltada para o público feminino. Segundo Queiroz, há muitas mulheres em cargos de gestão no setor, mas poucas na área de base. A formação já conta com 600 inscritas para 40 vagas.