Fusão consolida estratégia de mais de 20 anos de aquisições da Hapvida; veja lista completa

No último domingo, 28 de fevereiro, a operadora cearense de planos de saúde anunciou a fusão com a NotreDame Intermédica

Legenda: O ano de 2018 ainda marcou a finalização do processo de abertura de capital (IPO), em abril. A operação movimentou cerca de R$ 3,43 bilhões
Foto: Foto: Samuel Quintela

A Hapvida confirmou a operação de fusão com a Notre Dame Intermédica no último domingo (28), se transformando no maior conglomerado de saúde do Brasil em um processo que deve ser finalizado até o começo de 2022. Mas a estratégia de crescimento da operadora de planos de saúde cearense já contava com a perspectiva de crescimento inorgânico aliado à construção de novas unidades há vários anos. 

Fundada em 1979, a Hapvida finalizou a primeira aquisição da companhia ainda em 1999, focada em planos de expandir operações para outros estados do Nordeste. Contudo, com o passar dos anos, a empresa acabou buscando ampliar o atendimento em outras regiões do País, chegando a estados no Norte, Centro-Oeste e Sudeste. 

Finalizados todos esses processos, após a união com a Intermédica, a Hapvida deverá integrar uma nova companhia com um valor de mercado que poderá chegar a até R$ 120 bilhões. 

Veja a linha do tempo completa das aquisições da operadora cearense de planos de saúde:

1999 

Há mais de 20 anos, a Hapvida realizou a primeira aquisição da história da companhia. Buscando expandir a operação para outros estados do Nordeste, a empresa cearense comprou um hospital no Rio Grande do Norte, hoje conhecido como Hospital Antônio Prudente de Natal. 

2000 

Um ano após a primeira aquisição, os acionistas implantaram uma nova estratégia de negócios, buscando oferecer os hospitais como meio de prestação de serviços para beneficiários da operadora. O objetivo era oferecer custos competitivos. 

Em 2000, o Hospital Teresa de Lisieux, na Bahia, passa a integrar as operações da Hapvida. 

2005 

Com a compra do Hospital São Lucas, no estado do Amazonas, a Hapvida passa a operar no Norte País. Um ano atrás, a operadora de planos de saúde cearense já havia acelerado o projeto de expansão baseado na aquisição de novos hospitais, como havia feitos anos atrás. 

2007

Em um passo para expandir o atendimento na região Norte, a Hapvida compra o Hospital Layr Maia, no Pará.

2008 

O projeto de expansão da Hapvida começa a se voltar para outros mercados no Nordeste, mais uma vez. Entre 2008 e 2010, a empresa começa a estruturar um serviço de assistência odontológica com o nome Mais Odonto, e compra os hospitais Espinheiro e Ilha do Leite, na cidade do Recife. 

Além disso, a Hapvida, em 2008, compra a carteira de beneficiários dos grupos pernambucanos MMS PE e Santa Helena. 

Também de Pernambuco, as operações da empresa Santa Clara, que contava com 2 hospitais e 10 clínicas, é assimilado pela empresa. 

Em Alagoas, a operadora cearense compra toda a operação do grupo São Lucas. 

2011 

Dois grupos que atuavam nos estados de Ceará e Maranhão, Santa Saúde e Dental Vida, são adquiridos pela Hapvida, consolidando a operação de venda de planos odontológicos.

Na Bahia, a empresa cearense comprou o Hospital Lucena e a Santa Casa de Misericórdia.

Dois anos depois, a operadora passaria a usar a marca "Hapvida + Odonto". 

2012

No período de 2 anos, a Hapvida consolida mais três aquisições: o Hospital Aldeota (Ceará), o Hospital Rio Mar (Pará), e o Hospital João Pessoa (Paraíba). 

2014

O projeto de expansão inorgânica da empresa continua com a compra de mais duas unidades de atendimento, o Hospital Luís França (Ceará) e o Hospital Fleming (Amazonas).

2017

Mais uma unidade na Bahia passa a integrar os quadros de atendimento da Hapvida, o Hospital Semed, na cidade de Camaçari. 

2018

A expansão da rede de clientes da Hapvida passa pela compra de duas carteiras, a Free Life, no Ceará, e Uniplam, no Piauí, ambas com 25 mil beneficiários cada. 

O ano de 2018 ainda marcou a finalização do processo de abertura de capital (IPO), em abril. A operação movimentou cerca de R$ 3,43 bilhões.

2019

Em maio, a Hapvida anuncia a compra do Grupo São Francisco por R$ 5 bilhões e chega ao total de 6 milhões de usuários. A operação foi concluída em outubro e contou com o pagamento de R$ 4,75 bilhões. O restante foi pago em ações da Hapvida, com os diretores do São Francisco recebendo 1,2% dos papéis da Hapvida. 

Também em maio, a Hapvida confirma a aquisição do Hospital das Clínicas e Fraturas do Cariri, em Juazeiro do Norte, no Ceará. 

Alguns meses depois, em junho, a Hapvida anuncia a compra do Grupo América, na região metropolitana de Goiânia. A operação foi concluída por R$ 426 milhões e ajudou a operadora cearense a assimilar os 12,3% do market share no estado de Goiás.

Em julho, a Hapvida anuncia a aquisição da operadora RN Saúde, com sede na cidade de Uberaba (Minas Gerais), na região do Triângulo Mineiro. 

No final de 2019, a Hapvida ainda finalizou a compra de outra unidade de atendimento: o Hospital de Paraupebas (Pará). 

No mês de dezembro, mais duas aquisições são processadas pela operadora cearense: a cooperativa Medical (São Paulo), com uma proposta inicial de cerca de R$ 294 milhões; e a Plamed (Sergipe), que tinha 31 mil clientes, por no valor de R$ 57,7 milhões

2020

No meio do ano, a Hapvida anuncia a aquisição do Grupo São José, em São Paulo, com uma carteira de cerca de 51 mil beneficiários. A operação, que tinha valor previsto de até R$ 320 milhões, incluiria dois hospitais, uma clínica localizada em São José dos Campos e uma unidade ambulatorial com pronto atendimento em Jacareí.

Em setembro, foi anunciada a aquisição do Grupo Promed, que contava com a Promed Assistência Médica Ltda., Promed Brasil Assistência Médica Ltda., Saúde – Sistema Assistencial Unificado de Empresas Ltda., Centro Médico Progroup Ltda., Med Clínicas Serviços Médicos Ltda., Hospital Progroup Ltda. e 96,5% da participação societária do Hospital Vera Cruz S.A.. 

A transação avaliada em R$ 1,5 bilhão assimilou três hospitais, com 255 leitos, três operadoras de saúde e sete clínicas de atendimento primário.

A Hapvida também contou com um protocolo de entendimento para a transferência voluntária da integralidade da carteira de beneficiários da Samedh (Goiás), que contava 18 mil beneficiários. 

Também em setembro, a operadora cearense anunciou a compra da Plamheg, que tinha 18 mil beneficiários de plano de saúde na região  de Anápolis e Goianésia, e do Hospital Nossa Senhora Aparecida (Goiás).

Além disso, a Hapvida comprou, em setembro, 100% do Grupo Médico Santa Filomena (São Paulo), que contava com a  Filosanitas Saúde Ltda., da Casa de Saúde e Maternidade Santa Filomena S.A. (Hospital Santa Filomena),  e do Centro Médico Santa Filomena Ltda.

Em novembro, a empresa cearense anuncia a compra da Premium Saúde por R$ 150 milhões, assimilando cerca de 125 mil beneficiários de planos de saúde localizados, principalmente em Belo Horizonte/MG (65 mil vidas), Brasília/DF (13 mil vidas), Montes Claros/MG (9 mil vidas) e na região do Triângulo Mineiro (5 mil vidas).

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios