Consumo das famílias cai 5,5% em 2020 e investimento recua 0,8%

Uma queda ainda maior do consumo das famílias foi evitada pelos programas de apoio financeiro do governo e pelo crescimento do crédito voltado às pessoas físicas

Supermercado
Legenda: O resultado representa a maior queda registrada na série histórica, iniciada em 1996
Foto: Fabiane de Paula

Base da recuperação econômica após a recessão iniciada em 2014, o consumo das famílias brasileiras caiu 5,5% em 2020 em relação a 2019, segundo dado divulgado nesta quarta-feira (3) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O consumo das famílias é o principal componente do PIB (Produto Interno Bruto), sob a ótica da demanda, respondendo por quase 70% do cálculo do indicador, e vinha sustentando a lenta retomada da economia nos últimos anos, enquanto investimentos e mercado externo oscilavam.

O número representa a maior queda registrada na série histórica, iniciada em 1996. O pior resultado anterior da série foi em 2016 (-3,8%).

Uma queda ainda maior do consumo das famílias foi evitada pelos programas de apoio financeiro do governo e pelo crescimento do crédito voltado às pessoas físicas.

Os números do PIB mostram também que os investimentos públicos e privados (a chamada Formação Bruta de Capital Fixo) na economia brasileira recuaram 0,8% em 2020. O pior resultado anterior foi em 2015 (-13,9%).

Consumo do governo

O consumo do governo caiu 4,7% no ano, segundo o IBGE. O resultado desse componente é influenciado por fatores como números de matrículas nas escolas públicas, internações no SUS (Sistema Único de Saúde) e gastos com salários do funcionalismo. No semestre passado, os dois primeiros fatores puxaram o número para baixo.

Importações e exportações

Outros dois componentes da demanda são as exportações e as importações. As importações caíram 10%, e as vendas de bens e serviços para o exterior recuaram 1,8%.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios