Com a alta dos juros, é hora de investir no Tesouro Selic?

Para tentar controlar a pressão inflacionária no mercado interno, o Banco Central tem ajustado para cima a taxa básica de juros, o que pode dar mais consistência aos retornos nesse tipo de investimento

Legenda: O mercado subiu a expectativa da inflação de 7,27% para 7,58% para 2021
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A crise no mercado brasileiro e a pressão inflacionária têm impulsionado as constantes atualizações com tendência de alta da taxa básica de juros brasileira, a Selic. Nessa perspectiva, para quem está buscando investimentos mais seguros, o Tesouro Selic deverá ser uma das opções mais buscadas. 

Observando os dados levantados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o mercado subiu a expectativa da inflação de 7,27% para 7,58% em 2021. E para tentar contornar a pressão inflacionária no mercado interno, o Banco Central vem ajustando para cima a Taxa Selic. 

Com esse cenário montado, os investimentos atrelados à taxa básica de juros devem se tornar a opção mais confiável de retorno na renda fixa, por garantir, pelo menos, uma evolução dos recursos aplicados de acordo com os ajustes dos juros. 

Segundo o presidente do Conselho Regional de Economia Ceará (Corecon-CE), Ricardo Coimbra, os investidores poderão ter mais confiança nessa categoria de título por conta, justamente, da postura do Banco Central, que vem atuado diretamente com a Selic. 

Ele explicou que, com a tendência de novos aumentos da taxa de juros nas próximas reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, os papéis do Tesouro Selic podem ganhar relevância no mercado. A perspectiva é de que a alta dos juros possa controlar a tendência de inflação no mercado. 

"O Banco Central deve continuar aumentando a taxa Selic, e, por conta disso, o Tesouro Selic deve ser uma das opções mais consistentes para o investidor mais conservador na renda fixa, já que alguns produtos estão relacionados, e o próprio título acaba sendo uma opção para garantir retornos da Selic mais alguma coisa", disse.

Efeitos paralelos

Contudo, Coimbra comentou que o investidor precisa estar atento aos outros impactos das medidas do Banco Central, já que as constantes altas da Selic deverão impactar outros segmentos e serviços, como os financiamentos e diversos tipos de tomada de crédito. 

Como a taxa básica de juros regula parte do funcionamento do mercado, é preciso estar sempre atento a possíveis altas de custos em outras operações.

Mas com o aumento dos juros outras opções e operações no mercado também devem ficar mais caras. No entanto, o Tesouro Selic, no mundo dos investimentos deve ter o direcionamento de parte significante dos investidores", explicou.  
Ricardo Coimbra
Presidente do Corecon-CE

Renda variável

É importante ressaltar que o investidor também pode explorar outras opções de investimento, como a renda variável. Contudo, como o País vive um cenário de incertezas na economia, a indicação dos especialistas sempre buscar o auxílio dos especialistas.

Como as ações e outras opções de renda variável possuem um risco maior para o retorno dos investimentos, a ajuda de um consultor ou profissional relacionado a esse mercado pode ser uma boa opção. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios