Ceará recebe R$ 10,5 mi da União para obras de saneamento

Empreendimentos em Fortaleza, Camocim e Cascavel serão contemplados com recursos

Escrito por Redação,

Negócios
Legenda: Investimentos são destinados a obras para a garantia de abastecimento de água, esgotamento sanitário, manejo de resíduos sólidos e de águas pluviais, redução e controle de perdas de águas, entre outras

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) autorizou hoje (8) o empenho de R$ 10,5 milhões para garantir a continuidade de obras de saneamento básico no Estado, distribuídas nas cidades de Fortaleza, Camocim e Cascavel. Segundo a pasta, o objetivo é "contribuir com a manutenção de empregos neste momento em que o País enfrenta a pandemia do coronavírus".

De acordo com o MDR, os investimentos são destinados a obras para a garantia de abastecimento de água, esgotamento sanitário, manejo de resíduos sólidos e de águas pluviais, redução e controle de perdas de águas, drenagem urbana, preservação e recuperação de mananciais, além de estudos e projetos na área de saneamento básico.

> Governo Federal libera saque de R$ 1.045 do FGTS por trabalhador a partir de 15 de junho

> Caixa lança site de cadastro para recebimento do Auxílio Emergencial

> População mais vulnerável não poderá sacar imediatamente auxílio de R$ 600

> Calendário de saques, inscrições e condições: veja o que já se sabe sobre o auxílio emergencial

> INSS libera envio de atestado de auxílio-doença e antecipa pagamento de R$ 1.045

Ao todo, foram empenhados R$ 256,9 milhões do Orçamento Geral da União a 21 Estados e o Distrito Federal. Em nota, a pasta ressalta que a responsabilidade pela execução das obras é dos governos estaduais e que os pagamentos são realizados de acordo com a execução dos empreendimentos.

“Levar saneamento básico às comunidades significa oferecer mais saúde para as pessoas, mais qualidade de vida. O presidente Jair Bolsonaro determinou que façamos todos os esforços para apoiar os estados e municípios neste momento, a fim de minimizar impactos econômicos, evitar paralisações em obras e manter empregos”, disse o ministro Rogério Marinho.