Ceará assina primeiro pré-contrato para Hub de Hidrogênio Verde no Pecém

A empresa australiana Fortescue assinou documento que prevê a instalação de uma usina produtora de hidrogênio verde no setor 2 da ZPE Ceará

Escrito por Redação,

Negócios
Legenda: A assinatura do pré-contrato é um marco para a instalação do Hub no Ceará
Foto: Divulgação/ Complexo do Pecém

Foi assinado nesta quarta-feira (15) o primeiro pré-contrato para o Hub do Hidrogênio Verde no Ceará, que ficará localizado no Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP). O documento assinado pela empresa australiana Fortescue prevê a instalação de uma usina produtora de hidrogênio verde no setor 2 da ZPE Ceará.

O governo estadual e a Fortescue, líder global na indústria de minério de ferro, vão atuar em cooperação mútua para viabilizar a implantação da primeira usina de H2V no Pecém, além de fomentar a cadeia produtiva da energia no estado.

Para a governadora Izolda Cela, a assinatura do documento representa um marco na geração de energia limpa e desenvolvimento do estado.

"Esse movimento foi liderado na gestão do governador Camilo Santana, e firma o Ceará como um polo forte e engajado nesse momento de transição energética, com o nosso potencial de natureza, mas também o institucional. Para o Ceará avançar fortemente no desenvolvimento pautado no compromisso com as pessoas. E o Brasil só tem salvação se o Nordeste continuar sua rota de desenvolvimento”, defende.

O presidente do Complexo do Pecém, Danilo Serpa, considera que esse é um importante passo para a implantação do Hub.

"A assinatura desse Pré Contrato com a Fortescue é, nesse momento, a mais clara demonstração de confiança nesse projeto. Assim, o Pecém reafirma seu protagonismo no desenvolvimento da cadeia produtiva do hidrogênio verde no Brasil e na América Latina. É um projeto que ganha visibilidade mundial, pois teremos aqui produção de hidrogênio verde em larga escala”, comemora.

Fortescue

Com o pré-contrato assinado, a multinacional australiana terá os seguintes passos:

  • estudar e procurar identificar oportunidades viáveis para a produção de hidrogênio verde;
  • envidar esforços para colaborar com as universidades locais para desenvolver programas de pesquisa para promover tecnologias relacionadas ao hidrogênio;
  • capacitar e contratar mão de obra local;
  • contratar serviços e produtos de empresas e fornecedores locais, de preferência.

O CEO da Fortescue Future Industries Latin America, Agustín Pichot, destaca que o pré-contrato é resultado de um trabalho realizado nos últimos meses e permitirá um avanço nos estudos de pré-viabilidade para o desenvolvimento do projeto de hidrogênio verde.

"Para as indústrias do futuro da Fortescue, é vital que nos engajemos cedo, de forma aberta e transparente com as comunidades. Nesse sentido, nos últimos meses, começamos a aprofundar nosso conhecimento sobre a região, suas comunidades e sua biodiversidade através de estudos de impacto ambiental e social. A assinatura deste pré-contrato é a consolidação do progresso do projeto e nos aproxima da possibilidade de desenvolver a indústria do hidrogênio verde no Brasil e na região", diz