Bares seguem impedidos de funcionar em todo o Ceará

Os bares continuam sem poder reabrir, conforme o último decreto estadual. De acordo com a Abrasel-CE, setor já perdeu cerca de 4 mil estabelecimentos e 30 mil postos de trabalho

Imagem de um bar fechado com mesas sobrepostas
Legenda: Desde o primeiro decreto, em março, setor tem negócios impedidos de funcionar
Foto: Kid Júnior

Impedidos de funcionar desde o primeiro decreto de isolamento social, publicado em março deste ano, devido à pandemia de Covid-19, os bares de todo o Ceará seguem por pelo menos mais uma semana nesta condição. O agravamento da situação já ocasionou o fechamento de cerca de 4 mil estabelecimentos e a perda de pelo menos 30 mil empregos, segundo contabiliza a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Ceará (Abrasel-CE).

O presidente da entidade, Rodolphe Trindade, explica que diante da impossibilidade de funcionamento presencial, muitos bares "estão utilizando o CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) de restaurante e estão abrindo, transformando o cardápio e se adaptando".

"É uma pena não poder reabrir. O setor já está abrindo. É como se o bar não tivesse a capacidade de se adaptar", lamenta o presidente da Abrasel-CE, criticando a ocorrência de outros eventos que têm gerado aglomerações no Estado, a exemplo dos acontecimentos ligados às eleições municipais. "Todos estão no meio da rua, aglomerando, e tudo que o nosso setor faz é de maneira segura", diz.

Apesar das tentativas de comunicação com o poder público, segundo a Abrasel-CE, não houve qualquer retorno. "Até agora nós estamos no limbo. Mandamos vários recados, enviamos ofício e não tivemos resposta. Isso está fazendo mal aos trabalhadores do nosso Estado", afirma Rodolphe Trindade.

A decisão do governo é motivo de protestos pelo setor, principalmente após a liberação de pequenos eventos, barracas de praia e restaurantes para funcionamento até a noite, com shows de humor e musicais. No entanto, a pressão não tem surtido efeito.

Restrições

O último decreto trouxe novidades: a recomendação de restrições mais rígidas para algumas cidades do interior. A recomendação vale para os municípios de Crateús, Icó, Russas, Juazeiro do Norte e Tauá, que devem adotar maior rigidez nas medidas de isolamento social contra o avanço do coronavírus.

Esses municípios citados não poderão, de acordo com o decreto estadual, adotar medidas de isolamento social menos restritivas do que as estabelecidas no decreto e liberar outras atividades econômicas e comportamentais diferentes das autorizadas nas respectivas localidades.

O documento detalha ainda que esses municípios podem adotar outras medidas ainda mais rigorosas do que as previstas do decreto estadual, por meio de ato normativo.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios