Auxílio emergencial será prorrogado por mais dois ou três meses, diz Paulo Guedes

Ministro afirmou que benefício será concedido até que toda a população adulta seja vacinada no Brasil

Ministro Paulo Guedes da economia
Legenda: Ministro participou de evento do setor de serviços quando falou sobre o auxílio emergencial
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Auxílio Emergencial deve ser prorrogado por mais dois ou três meses em todo o Brasil, segundo declarou o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta terça-feira (8). A intenção seria estender o benefício até que toda a população esteja vacinada. As informações são do G1.

“Possivelmente nós vamos estender agora o auxilio emergencial por mais dois ou três meses, porque a pandemia está aí", afirmou o titular da pasta. Dessa forma, os pagamentos, que se encerrariam em julho, podem seguir até outubro deste ano.

Ainda segundo Guedes, a informação de que a população adulta brasileira estará vacinada em até três meses foi dita por governadores do País. Dessa forma, ele explica, após a renovação do auxílio, o Bolsa Família deve ser reforçado. 

Entretanto, os valores com a renovação não foram repassados pelo ministro. Atualmente, o auxílio emergencial é distribuído com faixas entre R$ 150 e R$ 375.

PIB e bônus 

Ainda durante o evento desta terça-feira, Paulo Guedes falou sobre o PIB brasileiro. Conforme análise do ministro, o Produto Interno Bruto deve crescer entre 4% e 5% neste ano, seguindo a  linha  das estimativas do mercado financeiro. 

Além disso, ele deu detalhes iniciais sobre o Bônus de Inclusão Produtiva (BIP), que será pago pelo próprio governo, e do Bônus de Incentivo à Qualificação (BIQ), uma responsabilidade das empresas no Brasil.

A meta é criar empregos para jovens entre 18 e 20 anos que queiram fazer treinamento. Sendo assim, tanto governo como empresários deverão pagar R$ 275 aos jovens que serão treinados, com uma quantia que deve totalizar uma bolsa de R$ 550.

Com a declaração de Guedes, discussões sobre o formato da renovação do benefício continuam sendo consideradas.

Dois meses adicionais do auxílio devem ter custo total de R$ 18 bilhões. Dessa quantia, R$ 11 bilhões seriam liberados por meio de créditos extraordinários, recursos destinados a situações imprevistas e urgentes.

Para efetivar a proposta e seguir com o benefício até outubro, o governo deve editar uma Medida Provisória para estendê-lo. A ideia, como já falada por Guedes, é manter o público beneficiado e os valores das parcelas.

Auxílio na pandemia

O programa 'Auxílio Emergencial' foi criado ainda em 2020, com o início da pandemia e o fechamento de diversas atividades econômicas em solo brasileiro.

Somente em 2020, o governo disponibilizou cerca de R$ 300 bilhões com o auxílio. Inicialmente, o valor das parcelas era de R$ 600, mas logo depois caiu para R$ 300.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios