Região do Litoral de Fortaleza é a única a já superar o volume de chuva esperado para todo o ano

Nos últimos dez anos, apenas três vezes (2020, 2019 e 2017) as chuvas ficaram acima da média no Litoral de Fortaleza

Escrito por André Costa, andre.costa@svm.com.br

Ceará
Legenda: A cidade de Fortaleza é a que registrou, até agora, o maior volume médio acumulado de chuva no Estado, com XX mm
Foto: José Leomar

O Ceará se aproxima de superar, em menos de 5 meses, todo o volume de chuva esperado para o ano inteiro, que atualmente acumula 87% da média histórica. No entanto, uma das 8 macrorregiões do Estado já alcançou tal feito. A região do Litoral de Fortaleza - composta por 14 cidades, conforme divisão da Funceme - superou em 7,2% a normal climatológica anual.

Entre janeiro e 6 de abril de 2022, já choveu o acumulado médio de 1.161,8 milímetros no Litoral de Fortaleza. A média histórica anual da macrorregião é de 1.083,8 mm.

Nos últimos dez anos, apenas três vezes (2020, 2019 e 2017) as chuvas ficaram acima da média no Litoral de Fortaleza. Já no ano passado, a macrorregião fechou 15,6% abaixo da normal climatológica.

14
Conforme divisão da Funceme, o Litoral de Fortaleza é composto pelas cidades Fortaleza, Eusébio, Aquiraz, Maracanaú, Caucaia, Pindoretama, Maranguape, Horizonte, Itaitinga, Pacatuba, Chorozinho, Cascavel, Beberibe, Pacajus

O bom índice registrado neste início de ano foi possibilitado, principalmente, pelas chuvas caídas em março. Naquele mês, a Funceme anotou 427 milímetros. Foi a única das 8 macrorregiões que choveu mais de 400 mm em março. Em janeiro a variação também foi robusta. O mês registrou volume superior mais que o dobro da média histórica. 

  • Janeiro: 97,2 mm é a média, choveu 223,8 mm
  • Fevereiro: 145,8 mm é a média, choveu 133,1 mm
  • Março: 252,6 mm é a média, choveu 427,6 mm
  • Abril: 259,3 mm é a média, choveu 325,7 mm

Chuva na Av. Beira-mar, em Fortaleza
Legenda: O bom índice registrado neste início de ano foi possibilitado, principalmente, pelas chuvas caídas em março
Foto: José Leomar

Maiores volumes acumulados

Dos dez municípios cearenses com maiores volumes acumulados até agora, cinco são da região do Litoral de Fortaleza, cenário que evidencia que a região tem sido a mais banhada pelas chuvas neste ano de 2022.

A cidade com maior índice acumulado é a capital cearense, que inclusive já superou todo o volume esperado para o ano

Até o dia 6 de abril, Fortaleza já havia registrado 1.595,8 milímetros, o que representa 10,5% acima da média histórica anual, que é de 1.444,6 mm. Eusébio obtém, até o momento, o segundo maior volume da macrorregião no ano (1.420 mm) e o quarto do Ceará.

  • Fortaleza: 1.595,8 mm (Litoral de Fortaleza)
  • Palmácia: 1.572,8 mm
  • Várzea Alegre: 961,6 mm
  • Eusébio: 1.420 mm (Litoral de Fortaleza)
  • Aquiraz: 1.314,8 mm (Litoral de Fortaleza)
  • Maracanaú: 1.311 mm (Litoral de Fortaleza)
  • São Gonçalo do Amarante: 1.310,1 mm
  • Granjeiro: 1.308,2 mm 
  • Paraipaba: 1.307,4 mm 
  • Caucaia: 1.296,9 mm (Litoral de Fortaleza)

Das 14 cidades, apenas três ainda não superaram as suas respectivas médias históricas anuais, isto é, o volume de chuva que é esperado para o longo de todo o ano. 

Cascavel e Pacatuba estão próximas, restando apenas 4%. Já o município de Pacajus está a cerca de 10% de superar a normal climatológica. 

Cenário oposto

Cenário menos favorável estão as macrorregiões da Ibiapaba, Jaguaribana e Sertão Central e Inhamuns. Elas estão a mais de 15% de superarem a média anual, o que não deve acontecer em 2022 visto que só resta um mês para o fim da quadra chuvosa. 

A região do Sertão Central e Inhamuns é, historicamente, a que registra os menores volumes pluviométricos. Neste ano, a Funceme contabiliza o acumulado de 546 mm, quase 20% aquém da média histórica anual, que é de 676,2 milímetros.

Já o Cariri, Maciço de Baturité e Litoral de Pecém estão bem próximos de se juntarem à macrorregião do Litoral de Fortaleza e também superarem a média anual.