Entenda por que as ruas de Fortaleza ficam cheias de buracos com as chuvas

Moradores denunciam perigos e falta de acesso às ruas por causa das aberturas no asfalto

Escrito por Lucas Falconery, lucas.falconery@svm.com.br

Ceará
vias esburacadas
Legenda: A umidade potencializa a deterioração do asfalto, que somada a outros problemas como a drenagem da água da chuva, tornam o problema ainda mais grave nas ruas da cidade
Foto: Kid Júnior

Os desvios estão mais comuns por quem se desloca em Fortaleza, seja numa caminhada ou trajeto de carro, para escapar dos buracos nas vias da Capital - problema intensificado durante a quadra chuvosa. Mas por qual motivo o asfalto se deteriora com mais facilidade nesse período?

Isso acontece porque a umidade potencializa a deterioração do asfalto, que se soma a outros problemas como a drenagem da água da chuva. Além de aditivos, alternativas de pavimentação podem ser analisadas para solucionar o problema.

Esses são aspectos explicados por Juceline Batista dos Santos Bastos, doutora em Engenharia de Transportes e professora no Departamento de Construção Civil Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE).

“O que as pessoas enxergam na superfície, que chamam de asfalto, na realidade é uma estrutura com diversas camadas”, destaca. Assim, é possível estabelecer formas para dar maior resistência.

“Passa por uma seleção de materiais que resistam melhor ao dano, por exemplo, estabilizantes químicos, utilização de polímero, mas tem que ser avaliado do ponto de vista econômico”, considera a especialista.

ruas esburacadas
Legenda: Além dos danos aos veículos, buracos na via podem causar acidentes
Foto: Kid Júnior

Devido a esse fator, a pavimentação das ruas e avenidas de Fortaleza exigem análise da estrutura, semelhante ao que acontece com prédios - como explica a especialista - para encontrar os pontos mais sensíveis.

A estrutura como um todo importa e aí entra a questão da drenagem e a manutenção desses dispositivos. Como a gente tem um material muito almejado pela população, de ter a rua asfaltada, isso ocorre. Mas a condição é algo a ser questionado
Juceline Batista dos Santos Bastos
Doutora em Engenharia de Transportes

A Prefeitura de Fortaleza informou à reportagem que tem executado uma força-tarefa para serviços de reparo na pavimentação de ruas e avenidas em pontos movimentados da Capital.

“A ação é resultado do esforço da gestão municipal em minimizar os efeitos das chuvas que caíram em Fortaleza de maneira intensa nestes últimos dias”, detalhou por meio de nota.

A gestão cita a recuperação das avenidas Murilo Borges, no Luciano Cavalcante, Visconde do Rio Branco, no Joaquim Távora e José Arthur Carvalho, no Curió. Além disso, a Rua  Dr. Joaquim Bento, também no Curió.

Foram iniciados os reparos na avenida Plácido Castelo, no Jardim das Oliveiras, que segue com a intervenção tapa buracos nos próximos dias, conforme a prefeitura.

Alternativas estratégicas

A escolha da pavimentação para uma rua ou avenida deve avaliar as condições do local e o uso feito para evitar desgastes no longo prazo. Assim o asfalto não é a única opção.

“Poderiam ter outro tipo de pavimentação, que melhoraria a questão da impermeabilização do solo, a água conseguiria escoar com mais facilidade. Então, conta muito a seleção adequada da solução”, destaca Juceline Bastos.

Nem todo local precisa de asfalto, até porque em determinadas regiões traz muito mais problemas do que benefícios. Tem a temperatura muito alta, impermeabilização do solo e, sem drenagem, a água acaba escoando para as residências
Juceline Batista dos Santos Bastos
Doutora em Engenharia de Transportes

Entre as alternativas, o piso intertravado - solução já usada na área nobre de Fortaleza - pode ser aplicado em outras áreas.

Prejuízo após alagamento

O motorista por aplicativo Gleisson Rocha, de 26 anos, avançou o carro em um buraco coberto pela água da chuva no dia 1º deste mês  e, desde então, tem sua atividade profissional comprometida.

"Eu entrei na rua, tinha um pouco d'água, mas como estava plano e eu não vi sinalização, entrei e aí o carro desceu", lembra sobre a ocasião próxima ao cruzamento das ruas Pato Branco e Mateus Leno, na Granja Lisboa.

Os moradores disseram ao motorista que outras situações do tipo já aconteceram cerca de quatro vezes no local. Para conseguir remover o carro, uma vizinha pediu para que trabalhadores de uma obra próxima fizessem o reboque com um trator.

"Ela conseguiu o trator com eles para tirar o carro e depois disso vieram colocar sinalização", lembra. Por causa da água, a descarga e a caixa de direção do veículo foram danificadas.

"Eu coloquei algumas peças e comecei a rodar, mas tô vendo a hora ficar no prego de novo. Não tenho dinheiro para trocar o restante", considera. E o contexto de ruas esburacadas e alagamentos não se restringem ao espaço do acidente. 

Por onde eu ando é assim, são muitos buracos, e o pior é quando está chovendo não dá para ver. Aí tem que arriscar para trabalhar
Gleisson Rocha
Motorista por aplicativo

Risco de acidentes

Em um dos trechos mais movimentados de Fortaleza, moradores da Rua Padre Mororó, no cruzamento com a Avenida Domingos Olímpio, no bairro Farias Brito, já encontram dificuldade de acesso devido aos buracos.

"Há muito tempo, quando foram fazer as ciclofaixas da Domingos Olímpio, tinham pinos que separam uma faixa da outra e, onde eles ficavam, os buracos foram aumentando com a chuva", observa a cabeleireira Theyne Santana, de 41 anos.

O local é movimentado por muitos pedestres devido à proximidade com escolas e os estudantes ficam vulneráveis a acidentes, como destaca a moradora.

fortaleza esburacada
Legenda: A Prefeitura de Fortaleza informou que tem executado uma força-tarefa para serviços de reparo na pavimentação de ruas e avenidas
Foto: Kid Júnior

“Quando os alunos vão passar é uma luta, porque como não tem mais a sinalização, eles têm que passar por dentro de buracos e os carros ficam transitando"

Já existia o problema, mas com as chuvas mais fortes e como aqui o tráfego de carro e caminhões é muito grande. Alguns moradores já tentaram colocar entulho de obra para melhorar, mas não adianta, porque quando chove abre de novo o buraco
Theyne Santana
Cabeleireira

O problema alcança o outro lado da rua e agora a preocupação é de ficar “ilhado por buracos”, como conta a moradora.

A Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) informou, por meio de nota, “que equipes técnicas estão atuando para solucionar a ocorrência nos cruzamentos da avenida Domingos Olímpio e rua Padre Mororó. O local está devidamente sinalizado.”

Buraco na frente de casa

Há dois anos a dona de casa Lilia Oliveira, de 37 anos, observa problemas com asfalto na Rua Vicente Nogueira Braga, no São João do Tauape. Um buraco na via cresce com a circulação de caminhões e o período chuvoso.

“Eu acredito que o buraco tenha aumentado de tamanho por conta das fortes chuvas e essa é uma rua de descida. Quando chove bastante, fica bem alagado e o fluxo de água é bem grande”, descreve.

Isso já começa a prejudicar quem mora de frente para a fenda formada na via, que se soma a outros problemas, como o acúmulo de sujeira.

Existe risco de acidentes, porque o buraco além de grande é fundo. Um dos nossos vizinhos colocou uma madeira para sinalizar já que à noite, se passar um motoqueiro alí, é capaz de cair dentro
Lilia Oliveira
Dona de casa

Os moradores chegaram a colocar um vaso sanitário dentro do espaço no asfalto que continua a ceder. O caminhão da coleta seletiva já enfrenta dificuldade para transitar na rua.

“A nossa preocupação é causar acidentes e inviabilizar as pessoas de se deslocarem, entrando e saindo de suas casas. Uma casa vai ser mais prejudicada, porque o buraco fica mesmo de frente para a garagem”, frisa.

A Pasta responsável pela manutenção da via informou à reportagem sobre uma visita técnica ao local.

“Secretaria da Gestão Regional (Seger), por meio da Regional 4, enviará uma equipe técnica ao local para realizar uma vistoria e encaminhar as providências necessárias”, acrescentou.