Espetáculo "Corpo Catimbó" estreia nesta terça (7), no Teatro Dragão do Mar

Criada pelo artista Viana Júnior, a montagem une dança e os ritos da Jurema Sagrada. "Corpo Catimbó" segue em cartaz nos dias 14 e 21 de maio

Escrito por Redação,

Verso
Legenda: Viana Júnior cria uma estética do "corpo catimbozeiro", e envolve apelos cênicos e espirituais
Foto: Foto: Pâmela Soares

As fronteiras entre a criação artística e os movimentos de rituais e cultos espiritualistas são tênues para o artista que transita por ambas as experiências. Viana Júnior, pesquisador das tradições afro-brasileiras, reuniu a dança e elementos dos ritos da "Jurema Sagrada" para criar a performance de "Corpo Catimbó".

Com o espetáculo, ele fará curta temporada no Teatro Dragão do Mar a partir desta terça (7). A montagem segue em cartaz nos próximos dias 14 e 21 de maio.

Criado em torno da poética de um "corpo catimbozeiro", o espetáculo é apresentado como um "ritual cênico", sem representações engessadas do que seja dança, ou do que seja "culto" em cima do palco. Viana compõe, em cena, a estética de um "corpo fumaça" e evoca, em paralelo, a vibração das entidades que se vinculam a Jurema Sagrada, a exemplo de caboclos e pretos velhos.

"Corpo Catimbó" é dirigido por Benjamin Abras (MG) e Cátia Costa (RJ). No palco, o protagonista divide a cena com Pai Mesquita de Ogum - pioneiro na tradição da Jurema no Ceará. Prática de matriz indígena, o culto da Jurema Sagrada data do período da colonização do Brasil; e envolve saberes dos povos do agreste e das camadas marginalizadas das capitanias nordestinas.

O artista situa que, a partir de sua pesquisa, a elaboração do movimento da dança vai além da perspectiva do saber europeu ou asiático, e mergulha na africanidade, pontuando aspectos da capoeira, candomblé, samba de caboclo e dos maracatus.

Viana recapitula que se aproximou do grupo Ilê Axé Ogum Já e desenvolveu, a partir de então, a pesquisa da montagem. Ele referencia, ainda, a influência de sua trajetória dentro da Cia Balé Baião, focada na criação da dança em sintonia com as tradições afro-brasileiras e indígenas.

"Algumas obras foram importantes para que pudesse chegar nesta proposta de pesquisa e criação, como 'Negrume' (2010) e 'Prelúdios para danças caboclas' (2014)", cita o artista. Outro passo fundamental para realizar "Corpo Catimbó" foi a experiência de Viana Júnior dentro do Laboratório de Dança da Escola Porto Iracema das Artes. Ano passado, o artista passou sete meses envolvido neste ciclo.

"A tutoria foi de Benjamin Abras, multiartista e capoeira mineiro, juntamente com Cátia Costa, atriz, capoeirista e diretora de teatro carioca. Ambos são pesquisadores das artes negras brasileiras", credita.

Serviço
Corpo Catimbó

Temporada do espetáculo de dança no Teatro Dragão do Mar (Rua Dragão do Mar, 81, Praia de Iracema). Nesta terça (7), e nos dias 14 e 21 de maio, às 20h. Ingressos: R$ 10 (meia) e R$ 20 (inteira). Contato: (85) 3488.8600