Distribuição da vacina AstraZeneca será normalizada a partir de segunda-feira (13), diz Fiocruz

O intervalo entre as entregas ocorreu porque os lotes mensais de agosto do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) chegaram atrasado

Vacinas
Legenda: Número de doses será divulgado segunda-feira (13)
Foto: Fiocruz/ Divulgação

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) prevê retomar a entrega de vacinas da Oxford/AstraZeneca a partir da próxima semana. O número de doses disponibilizado será divulgado na segunda-feira (13).

A distribuição deste imunizante havia sido paralisada devido ao atraso do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) - usado na produção de imunizantes contra a Covid-19. 

Os lotes mensais de agosto da matéria-prima chegaram somente nos últimos dias 25 e 30, mas o processo de fabricação e controle de qualidade das doses demora cerca de três semanas.

>> Veja as listas para vacinação contra a Covid-19 em Fortaleza neste fim de semana

No último dia 2, a instituição já havia informado que as próximas remessas seriam distribuídas entre os dias 13 e 17 de setembro. A última entrega ocorreu foi em 27 de agosto, quando 3,5 milhões de vacinas foram liberadas.

Friocruz já entregou mais de 91 milhões de doses ao Ministério da Saúde

Desde o início do ano, a Fiocruz já disponibilizou 91,9 milhões de doses ao Ministério da Saúde (MS), sendo 87,9 milhões produzidas no Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) e 4 milhões importadas prontas da Índia.

O número de doses produzidas no Brasil, porém, deve ultrapassar 100 milhões na próxima semana, contando com as vacinas já entregues e as que ainda estão em produção e controle de qualidade.

A previsão foi apresentada na Jornada Nacional de Imunizações pelo gerente do projeto de implementação da vacina covid-19 em Bio-Manguinhos, Fábio Henrique Gonçalez.

Ele detalhou ainda os avanços na produção do IFA nacional e divulgou a projeção de que será possível produzir neste ano 14 milhões de doses totalmente fabricadas no Brasil. Dessas, 6 milhões poderão ser entregues ao PNI.

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil