Prévia do PIB do Ceará sobe 3,67% em 12 meses, e Estado cresce mais que o Nordeste

Variação do IBCR do estado nos últimos 12 meses foi de 3,67%, conforme dados divulgados na última terça-feira pelo Banco Central

Escrito por Heloisa Vasconcelos, heloisa.vasconcelos@svm.com.br

Negócios
Legenda: O segmento de construção civil foi um dos que puxou o resultado cearense
Foto: Thiago Gadelha

A economia cearense fechou novembro de 2021 com um resultado superior ao do Nordeste. De acordo com o Índice de Atividade Econômica (IBCR) do Banco Central, considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), o Ceará acumula variação positiva de 3,67% nos últimos 12 meses. 

Mesmo com a variação positiva, o resultado de novembro representa queda em relação aos meses anteriores. 

O índice é maior do que o registrado no Nordeste, que teve variação de 3,19% no mesmo período. O acumulado do Nordeste em 2021, considerando dados até novembro, é de 3,34%. No Ceará, a variação é de 3,81% no ano. 

De acordo com a presidente do Conselho Regional de Economia Ceará (Corecon-CE), Silvana Parente, a indústria foi o principal setor que puxou o resultado do estado, com destaque para a construção civil e para a indústria de gás natural e carvão. O setor de serviços também tem demonstrado uma recuperação. 

Apesar do resultado, as expectativas não são positivas para 2022. Segundo a economista, o contexto econômico, social e político deste ano projeta uma economia estagnada e com alta da inflação. 

Variáveis positivas 

O IBCR é calculado mensalmente pelo Banco Central e é considerado uma prévia do PIB, divulgado pelo IBGE. O índice mostra o desempenho da economia regional e de alguns estados.  

Silvana chama atenção que apesar de a variação no período de 12 meses ser positiva, o resultado comparado mês a mês é tímido, o que demonstra que a “economia está patinando”. O Ceará está acima de outros estados que, segundo ela, têm demonstrado quedas. 

No nível estadual a gente tem algumas variáveis que afetam positivamente. Temos investimentos públicos, alguns segmentos como construção civil e também os serviços, que estão se recuperando embora ainda não estejam no nível esperado. Outra coisa que aconteceu também foi o empreendedorismo. A gente vê um crescimento grande de pequenos negócios buscando busca de oportunidade de trabalho e renda
Silvana Parente
presidente do Corecon-CE

Um desafio, contudo, é o nível de emprego, que segue baixo apesar da breve recuperação econômica. Para a presidente do Corecon, é necessário tomar medidas para apoiar os trabalhadores informais. 

Cenário pessimista 

A presidente do Corecon traz perspectivas negativas para 2022. O cenário eleitoral deve aumentar incertezas e elevar os gastos públicos, o que prejudica a situação fiscal do país como um todo. 

“Tem cenários econômico, político e social não favoráveis. Isso tudo reflete no comportamento das empresas, investidores e consumidores. A perspectiva é que a economia brasileira como um todo vai ficar estagnada e com inflação”, projeta. 

Segundo ela, cabe ao governo estadual e às empresas sediadas no estado traçarem estratégias para que o estado consiga um resultado melhor frente ao Brasil.  

IBCR acumulado em 12 meses no Nordeste 

Pernambuco: 5,12% 

Ceará: 3,67% 

Bahia: 2,84% 

Assuntos Relacionados


Mario Mesquita

Comércio exterior do Nordeste

Mario Mesquita
26 de Maio de 2022