Mercado da miséria: como estão as pessoas que precisavam comprar ossos para sobreviver

A inflação não deixou a situação econômica melhorar e a escassez continua castigando as famílias

Escrito por Bruna Damasceno,

Negócios
Estabelecimentos vendem carcaça, dorso, pés, asas e pescoços de frango como alternativa de produto mais barato.
Legenda: Estabelecimentos vendem carcaça, dorso, pés, asas e pescoços de frango como alternativa de produto mais barato.
Foto: Kid Junior

Há oito meses, uma reportagem do Diário do Nordeste, assinada pela repórter Carolina Mesquita, mostrou como a falta de manejo de políticas públicas durante a pandemia de Covid-19 arrastou cearenses para a miséria. Naquele período, algumas pessoas já haviam deixado de consumir carne e foram obrigadas a substituí-la por ossos, pés de galinha, pele e vísceras. Sobras que eram vendidas de R$ 5 a R$ 9 por quilo em açougues de Fortaleza. 

Em outubro do ano passado, as atividades econômicas estavam na quarta e última fase de retomada (iniciada em junho) e as escolas já estavam abertas. Contudo, de lá para cá, não houve avanços significativos para a população: a inflação continuou subindo e o desemprego ainda está em alta.

Diante desse cenário, como estão as pessoas que já enfrentavam dificuldades financeiras naquele momento? 

Legenda: Penha e a família têm se alimentado quase exclusivamente de ovos e embutidos nos últimos oito meses.
Foto: Kid Junior

A cearense Maria da Penha Ferreira de Sousa, de 36 anos, entrevistada naquele ano, estava desempregada em razão do fechamento dos comércios. Com o retorno, começou a fazer faxinas, mas precisou parar por problemas de saúde. A esposa dela também conseguiu um emprego avulso em uma loja, mas recebendo R$ 60 diários apenas quando atinge a meta.

A quantia garante o pagamento do aluguel, que ficou atrasado ao longo de 2021. Mas a inflação tem corroído toda a renda remanescente, deixando o casal novamente sem condições de comprar o básico. 

Ossadas e carnes de segunda têm sido a aposta de frigoríficos para manter as vendas.
Legenda: Ossadas e carnes de segunda têm sido a aposta de frigoríficos para manter as vendas.
Foto: Kid Junior

“Não mudou muita coisa. A carne e o osso a gente já nem conseguia comprar direito. Agora, com a carestia, é que não compramos mesmo. Essa carestia faz a gente passar necessidade”, relata. “Quando dá, compramos ovo e mortadela. Como a mortadela também foi ficando mais cara, fomos trocando pela salsicha”, diz. 

A realidade da família pouco mudou. Em outubro passado, a família estava sem consumir carne havia oito meses.  Para sobreviver, compravam ossos a R$8,00, o quilo, e também passaram a consumir mais ovos e embutidos, como mortadela e salsicha.

Maria Luiza Sousa, de 56 anos
Legenda: Maria Luiza Sousa, de 56 anos, conta que a filha conseguiu um emprego, "mas não tivemos mudança para melhor devido à inflação”
Foto: Kid Junior

A dona de casa Maria Luiza Sousa, de 56 anos, também entrevistada naquele período, hoje relata aflição semelhante diante das altas generalizadas. “Graças a Deus, minha filha, de 30 anos, conseguiu um emprego para se manter. Mas não tivemos mudança para melhor devido à inflação”, conta.

Há oito meses, Maria Luiza e o marido, o aposentado João de Fatimo Mareano, 68, enfrentaram uma grande aperto. Ele adoeceu e a família perdeu cerca de 80% da renda. Para sobreviver em 2021, o casal juntou as finanças para tentar cobrir as despesas de alimentação e medicamentos.Mesmo assim, produtos precisaram ser cortados do orçamento ou substituídos para as contas fecharem. 

O casal já tinha diminuido as despesas com transporte, vestuário e alimentação e, mesmo gastando mais, o que entra em casa é menos a cada mês. "A gente está no básico do básico. Até produto de limpeza e higiene a gente está comprando menos. A marca que a gente usa é a que dá", disse a dona de casa em outubro do ano passado.

“A situação está difícil para tudo: é comida, luz, transporte e remédios subindo. Agora, eu já nem compro mais frutas e verduras. Vou cortando tudo. Quando consigo comprar hortaliças, divido para ir comendo ao longo da semana. É tudo fracionado”
Maria Luiza
dona de casa

Em outubro de 2021, a inflação acumulada estava em 10,67% no País. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) – considerado a prévia da inflação oficial do país – ficou em 0,69% em junho de 2022, acima da taxa de 0,59% registrada em maio, segundo divulgou nesta sexta-feira (24) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com o resultado de junho, já são 10 meses seguidos com a inflação anual rodando acima dos dois dígitos.