Leilão do terminal de granéis do Porto do Mucuripe deve ser adiado para agosto

Apesar do atraso, vencedor deve assumir administração do equipamento até o fim do ano

Legenda: Companhia Docas concede série de equipamentos ociosos à iniciativa privada.
Foto: Igor Machado/CDC

O leilão do terminal de granéis do Porto do Mucuripe, marcado inicialmente para 30 de julho, deve ser realizado até a metade de agosto, prevê a diretora-presidente da Companhia Docas do Ceará, Mayhara Chaves.

A expectativa é que o vencedor da disputa assuma a administração do equipamento até o fim do ano. O adiamento será necessário por questões internas da B3, bolsa de valores brasileira e realizadora do leilão, segundo a diretora.

"A gente tem uma expectativa muito boa, principalmente porque o Porto de Fortaleza é o maior movimentador de trigo do País, com quase 18% do total. Ultrapassamos o Porto de Santos em 2020 com 1,2 milhão de toneladas", ressalta Chaves.

A diretora-presidente revela que algumas empresas, todas nacionais, chegaram a visitar o terminal para conhecer o equipamento.

"A gente não negocia direto com as empresas, mas algumas vieram conhecer. No entanto, não temos acesso a informações de quem entra pro leilão nem as propostas"
Mayhara Chaves
Diretora-presidente da Companhia Docas do Ceará

Ela lembra que o vencedor deverá fazer investimentos da ordem de R$ 57 milhões ao longo dos 35 anos da concessão, o que deve gerar cerca de 1 mil empregos diretos e indiretos.

Terminal Pesqueiro de Camocim

Outro equipamento da Companhia que está em processo de arrendamento é o Terminal Pesqueiro de Camocim, cujo edital está em fase final de elaboração e deve ter publicação também em agosto.

"No caso de Camocim é um processo mais simples por não ser operacional. Após a publicação do edital, em cerca de 30 dias devemos realizar o leilão", detalha Chaves.

Formuladora de combustíveis

Um terceiro trâmite de concessão prevê o leilão de uma área do porto para a instalação de uma formuladora de combustíveis. A diretora-presidente da Companhia Docas informa que, no momento, o processo passa por avaliação do Tribunal de Contas da União (TCU). Por ser mais complexo, a previsão é que o leilão ocorra em meados de dezembro.

Já o leilão do Terminal Marítimo de Passageiros foi suspenso por conta da pandemia e só deve ser retomado após a volta da movimentação de cruzeiros e turistas.

"Nós estamos arrendando as áreas que estavam ociosas, gerando despesas e sem dar retorno para a Companhia. O Terminal de Camocim, por exemplo, estava parado. O MUC 59 (terminal em que deve ser instalada a formuladora de combustíveis) hoje só passa um trilho de trem"
Mayhara Chaves
Diretora-presidente da Companhia Docas do Ceará

Ela ainda revela a intenção de arrendar outras áreas do porto com o objetivo de reduzir custos e receber mais investimento privado, melhorando a infraestrutura.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios