Home office conquista empresas e deve ser mantido após pandemia

Em alguns setores, como o financeiro e o administrativo, taxa de funcionários em regime de teletrabalho chegou a 90% no Ceará. Empresários relatam aumento de produtividade e vantagens econômicas com os profissionais em casa

Legenda: Ao evitar gasto de tempo com deslocamentos, home office pode aumentar qualidade de vida do profissional
Foto: Arquivo

Dotado às pressas e, em muitos casos, de forma improvisada para atender às regras de isolamento social, o trabalho remoto, ou "home office", tornou-se uma realidade para muitas empresas nos últimos três meses. E a expectativa é de que setores com funções administrativas, por exemplo, continuem no esquema de home office de forma definitiva mesmo após a retomada das atividades econômicas. Para as companhias, o home office permite a redução de despesas com aluguel de espaço físico, energia, transporte, alimentação, dentre outras. Enquanto o funcionário pode, por exemplo, usar o tempo gasto diariamente com deslocamento em outras atividades.

"Com a quarentena, as empresas acabaram acelerando um processo que já vinha sendo mapeado e implantado lentamente, e esse foco foi dado no susto", diz Raul dos Santos, sócio da consultoria SGS Investimentos. "Agora chegou-se à conclusão de que não precisava de tanto deslocamento. Outro ponto é a questão de espaço físico. Todo mundo, quando pensa em crescer, pensa em alugar mais salas, em aumentar a estrutura física, e agora estamos vendo que não precisamos de espaço físico para crescer".

Segundo Patrick Lima Alex, diretor da CSI Locações, empresa especializada em locação de equipamentos para eventos e construção civil, já num primeiro momento, houve redução de custos com vale-transporte e vale-refeição. "Além disso, os gastos com hora-extra diminuíram bastante, porque o colaborador se tornou mais produtivo. A gente estima que o nosso custo com pessoal será reduzido em cerca de 10%", diz.

Produtividade

Com relação à produtividade no trabalho remoto, acreditava-se, inicialmente, que o rendimento do funcionário tenderia a cair, mas passada a fase de adaptação, ocorreu o oposto. "Do dia 18 de março, quando nós entramos no regime de home office, até o fim do mês, a gente percebeu uma queda de produtividade, acredito que pelo ineditismo da situação, pela adaptação, mas a partir de abril a gente viu uma crescente muito grande da produção. A entrega por hora trabalhada aumentou significativamente", frisa Raul dos Santos.

No mesmo sentido, Alex também diz que percebeu uma melhora na produtividade, principalmente pelo tempo que os funcionários deixaram de gastar com deslocamento. "Eu tenho dois funcionários que demoravam cerca de duas horas no trânsito para chegar à empresa. Com certeza eles passaram a ser mais produtivos, porque economizaram quatro horas por dia que agora podem ser usadas para fazer cursos ou pensar coisas novas para a empresa".

Entretanto, assim como as empresas tiveram pouco tempo para se preparar para esse novo esquema de trabalho, também foi curto o período para funcionários se acostumarem com novas ferramentas e rotinas para cumprir suas metas. E aqueles com menor capacidade de adaptação poderão perder espaço no mercado. "Não é novidade que para uma empresa crescer, ela não pode abrir mão da tecnologia e essa aptidão independe da idade. Agora nós pudemos perceber quem assimilou bem essas mudanças e promover uma rápida oxigenação dos quadros da empresa", afirma Raul dos Santos.

A tendência é que, com o tempo, as empresas passem a incentivar, cada vez mais, que seus funcionários trabalhem de casa. "Já há pesquisas mostrando que tem gente gostando mais dessa forma de trabalho porque o tempo renderia mais. Mas no home office você precisa ter uma agenda mais estruturada", diz Adriana Bezerra, CEO da Flow Desenvolvimento Integral, especializada em psicologia e gestão de empresas. "Por outro lado, a interação com os outros colegas ajuda a desenvolver novos produtos, a criatividade, porque o trabalho coletivo é muito rico".

Cenário

Segundo Raul dos Santos, de 80% a 85% das empresas cearenses acabaram tendo de adotar, em alguma medida, o esquema de home office ao longo dos últimos três meses. "A gente estima que após a pandemia esse número caia para 40%, porque temos segmentos que precisam da presença física. Mas quem pode, vai continuar. Em uma consultoria como a nossa, por exemplo, você pode ficar em home office até o fim do ano. E mesmo dentro de empresas que precisem da força de trabalho presencial, há setores que podem migrar totalmente para o trabalho remoto".

Segundo Patrick Lima Alex, 90% dos funcionários dos setores financeiro e comercial estavam em home office em abril. "A gente já tinha um braço que trabalhava em home office mesmo antes da pandemia, o que nos ajudou nessa adaptação", lembra. "Agora, com a retomada vamos fazer revezamento. O pessoal do financeiro fará trabalho presencial duas vezes por semana, o comercial três vezes por semana, e outros setores vamos fazer escalas. A gente viu que não se fazia necessário o colaborador estar aqui direto", diz.

Em maio, 306 mil pessoas no Ceará estavam em trabalho remoto, o equivalente a 16% das pessoas ocupadas em exercício (1,9 milhão). Ao todo, o Estado contava com 3,1 milhões de pessoas ocupadas em maio, das quais 1,9 milhão em exercício, 1,3 milhão na informalidade e 1,1 milhão afastados do trabalho. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Covid-9), divulgada pelo IBGE no dia 24 de junho.

"O empresário cearense precisa abrir sua cabeça para essas possibilidades. Temos muitos exemplos positivos de boas empresa dentro do Ceará. Mas não é só colocar as pessoas no home office. É preciso fazer tudo o que for possível para acelerar esse processo, para que haja uma gestão mais ágil, com menos burocracia", diz Adriana Bezerra.

Brasil

No Brasil, 8,8 milhões de pessoas estavam trabalhando de forma remota na última semana de maio, contra 8,6 milhões na primeira semana do mês. Na última semana de maio (de 24 a 30), 13,2% da população ocupada no País (84,4 milhões) trabalhavam remotamente, e 17,2% (14,6 milhões) estavam afastados do trabalho devido ao distanciamento social, de acordo com o IBGE.

Segundo uma pesquisa realizada pela consultoria Cushman & Wakefield, especializada em serviços imobiliários comerciais, quase 74% das companhias do setor pretendem instituir o home office depois que a crise passar.

A organização entrevistou 122 executivos de multinacionais que atuam no Brasil.

O trabalho remoto é previsto desde 2011 no artigo 6º da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT); nos artigos 75-A a 75-E, e na Lei n.º 13.467/17, a Reforma Trabalhista; e na Medida Provisória n.º 927/20.

Isolamento social forçou a aceleração do uso do trabalho a distância e acabou levando empresas a enxergar as vantagens do home office, que chegou para ficar