Esmaltec inicia produção de capacetes que reduzem necessidade de intubação de pacientes com Covid-19

Para produzir o equipamento, a empresa construiu uma sala limpa, espaço com ambiente controlado

fotografia
Legenda: Por utilizar um mecanismo de respiração artificial não invasivo, o capacete pode ser aplicado em pacientes considerados de baixa e média complexidade, reduzindo em até 60% a necessidade de intubação
Foto: Kid Júnior

A iniciativa privada do Ceará tem se empenhado durante todo o ano para minimizar os impactos sanitários e econômicos da pandemia do novo coronavírus. Uma das iniciativas ligadas à inovação é a do capacete hiperbárico - equipamento desenvolvido no Estado que auxilia no tratamento de diversas doenças respiratórias, entre elas a Covid-19 - cuja produção iniciou neste mês nas instalações da Esmaltec.

Conforme revela o diretor superintendente da empresa, Marcelo Pinto, a Esmaltec foi convidada a participar do desenvolvimento do equipamento, propiciando investimentos e dedicação da equipe no projeto.

"Desde o início da pandemia nosso foco sempre foi ajudar a sociedade e os poderes públicos a minimizar os impactos da Covid-19. Fomos convidados pela Unifor para integrar o time de desenvolvimento do capacete hiperbárico, através da parceria com pesquisadores, universidades e entidades de saúde. A nossa equipe de engenheiros fez o projeto dos componentes exclusivos e investimos em moldes de injeção específicos e únicos para esse produto", afirma.

Por utilizar um mecanismo de respiração artificial não invasivo, o capacete pode ser aplicado em pacientes considerados de baixa e média complexidade, reduzindo em até 60% a necessidade de intubação, evitando também a internação em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O capacete teve como base a experiência de médicos italianos que utilizaram máscaras de mergulho no tratamento de pacientes com coronavírus. O uso de capacetes hiperbáricos utilizados em doenças de descompressão na Europa e nos Estados Unidos no começo da pandemia também serviu de inspiração.

Sala limpa

Necessária para a produção do equipamento na fábrica, uma sala limpa precisou ser instalada pela Esmaltec. O local é um ambiente controlado com uma série de especificações para evitar a presença de partículas ou microrganismos que podem alterar o produto.

"Não medimos esforços neste processo. Reestruturamos nosso espaço físico para construirmos a 'sala limpa', que é exigência da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Entendemos que precisamos continuar atentos e a postos para ajudar a sociedade nessa luta, não só contra a Covid-19, mas a qualquer doença que possa colocar as pessoas em risco", completa Marcelo.
 
Além da Esmaltec, o projeto ainda conta com contribuição do Governo do Ceará, por meio da Secretaria da Saúde (Sesa), da Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP/CE) e da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), bem como da Universidade de Fortaleza (Unifor), da Federação das Indústrias do Ceará (Fiec), por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai Ceará) e da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Iniciativas contra Covid-19

Desde março, a Esmaltec vem atuando para minimizar os impactos da Covid-19. Entre as ações implementadas estão a produção de mais de 60 mil componentes plásticos para a montagem de 30 mil protetores faciais que foram entregues a profissionais da área da saúde da rede pública e particular no Ceará. Também foram produzidos e entregues protetores faciais para os colaboradores da Esmaltec.

Além disso, a empresa realizou doações de álcool em gel para famílias em situação de risco do município de Maracanaú, onde está localizado o parque fabril da Esmaltec.

Em parceria com o shopping Iguatemi Fortaleza, desenvolveu um dispositivo para desinfecção de sacolas de compras. A Cabine de Desinfecção, como é chamada, utiliza raios ultravioletas para eliminar vírus e bactérias de superfícies plásticas e de papel.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios

Assuntos Relacionados