Dia das Mães no Ceará deve movimentar R$ 370 milhões, 2º maior valor do NE, projeta Fecomércio

A cifra é a segunda maior do Nordeste, segundo expectativa da Confederação Nacional do Comércio (CNC)

Legenda: Os shoppings devem ser o local de compra de 58,3% dos fortalezenses.
Foto: Camila Lima

Segunda data mais importante do ano para o comércio, o Dia das Mães deve movimentar R$ 370 milhões no Ceará. O volume, segundo levantamento da Confederação Nacional do Comércio (CNC), é o segundo maior do Nordeste, atrás apenas da Bahia (R$ 470 milhões).

Em Fortaleza, mais da metade dos consumidores (51,7%) pretende ir às compras em função da ocasião, conforme pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio-CE). Apesar do percentual significativo, a parcela ainda é menor que a observada em 2019, quando ainda não havia os efeitos da pandemia e o número chegou a 56,2%.

Cerca de 26% dos fortalezenses ainda não decidiram se farão alguma compra, enquanto 22,3% não pretendem comprar. Com isso, o volume de vendas este ano deve ser 12,4% menor que o registrado em 2019.

Ticket médio

Por conta do orçamento apertado, a maioria dos consumidores (31,1%) pretende gastar de R$ 51 a R$ 100. A segunda faixa de valor mais apontada pelos entrevistados, no entanto, é a de R$ 400 ou mais, concentrando 19,5% das intenções de compra. Outros 18,8% devem gastar até R$ 50.

Dessa forma, o ticket médio da Capital será de R$ 246, correspondendo a uma redução de 4,65% em relação a 2019, quando os consumidores gastaram R$ 258.

Ainda segundo o levantamento da Fecomércio, o cartão de crédito permanece sendo a forma de pagamento preferida para o Dia das Mães, com 67,9% das respostas. Outros meios recorrentes na data são o cartão de débito (27%) e o dinheiro vivo (17%).

Presentes e comemorações

A tradição pela busca de itens no segmento de vestuário e acessórios permanece e deve ser alvo de 38,5% dos consumidores. Outros produtos procurados serão os de perfumaria e cosméticos (30%), chocolates, bombons e trufas (19,6%), flores (14,6%), sapatos calçados, cintos e bolsas (12,3%).

Entre os que darão presentes, 52,3% pretendem comprar apenas um item. Mas há ainda quem deve adquirir dois produtos (27,4%), três (10,1%), quatro (2,7%) e até cinco ou mais (7,5%), alcançando não apenas a própria mãe, mas também sogra e outras familiares.

Mesmo com as limitações da pandemia, 60,4% dos entrevistados na pesquisa afirmam que irão comemorar a data de alguma forma, enquanto 19,9% ainda não sabem e 19,7% não irão comemorar.

Entre os que devem celebrar, 93,2% devem ficar em casa ou na residência de parentes. Outros 11,2% planejam ir a restaurantes e 8,6% a shoppings.

Local das compras

Por concentrarem uma diversidade de lojas, a maioria das compras (58,3%) deve ser feitas em shoppings. As lojas de ruas, bairros e galerias figuram em seguida (22%) e a internet aparece em terceiro lugar, com 19,3%, à frente de supermercados e hipermercados (13,3%).

Entre os atrativos que mais conquistam clientes estão as promoções (53,9%), preços competitivos (46,7%) e a qualidade (42,7%). Apesar do foco nos produtos, a recepção dos vendedores também é levada em consideração na hora de fechar a compra por 27,1% dos consumidores.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios