Com novo decreto, 300 feiras livres retomarão atividades em Fortaleza

Governador Camilo Santana anunciou na tarde desta sexta-feira (25) que as feiras livres podem voltar a funcionar

Legenda: Protocolos de funcionamento das feiras, que estão autorizadas a partir de segunda (28), devem ser definidos pelos municípios
Foto: Fabiane de Paula

O novo decreto que trata do enfrentamento à pandemia e retomada gradual das atividades permitirá que cerca de 300 feiras livres voltem à ativa legalmente na Capital, estima a Associação das Feiras Livres de Fortaleza.

De acordo com o diretor da entidade, João Evangelista, muitas estavam funcionando de forma irregular, já que são o único sustento de feirantes dos mais diversos segmentos, como vestuário e alimentação.

Ele avalia que a liberação, possível graças à redução no número de casos de coronavírus e de mortes em todo o Ceará, também é fruto das articulações da associação junto aos representantes do governo.

“Nós já vínhamos falando que não tinha mais sentido as feiras continuarem trabalhando na informalidade. Agora ninguém precisa mais continuar se escondendo.”
João Evangelista
diretor da Associação das Feiras Livres de Fortaleza

O anúncio da retomada das feiras livres foi feito pelo governador Camilo Santana na tarde desta sexta-feira (25) em live nas redes sociais. A medida é uma das novidades do decreto de enfrentamento à pandemia.

“É uma atividade econômica importante, portanto as feiras livres passam a ser liberadas a partir do novo decreto”, pontuou Camilo Santana.

Camilo disse durante a live que os protocolos para a retomada serão definidos pelos próprios municípios, mas não detalhou quais regiões estarão autorizadas a voltar com a atividade. O decreto, que deve ser publicado neste fim de semana e vale a partir de segunda (28), vai vigorar pelas próximas duas semanas.

Interior

A retomada das feiras livres tem forte impacto para a movimentação econômica em regiões com grandes feiras de produtos agrícolas, avalia Rodrigo Diógenes, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (Faec).

Essas grandes feiras ocorrem, por exemplo, em Cascavel, Itapipoca e Quixadá. “Elas têm um impacto muito positivo para essas regiões, gerando um fluxo maior de capital”, frisa Diógenes.

“Em média 40% dos pequenos agricultores dessas microrregiões utilizam as feiras como mecanismo de comercialização de seus produtos, seja de forma indireta (revenda) ou direta”, explica. “A feira livre tem um impacto muito direto no campo e nas cidades”, arremata.

HORÁRIOS ATÉ DOMINGO (27) NO CEARÁ, EXCETO NO CARIRI

  • Comércio de rua: 10h às 19h (limitação de 50%);
  • Comércio em shopping: 12h às 22h (limitação de 50%);
  • Restaurantes: 10h às 22h (limitação de 50%);
  • Toque de recolher: 23h às 5h;
  • Igrejas e tempos: celebrações presenciais podem ocorrer até as 22h (até 50% da capacidade);
  • Academias: de 6h às 22h (limitação de 40%); 
  • Autoescolas: 6h às 19h.
Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios

Assuntos Relacionados