Aumento do frete e falta de contêineres geram cenário de preocupação para setor de logística no CE

Avaliação é que o custo do frete marítimo se normalize somente em até dois anos

conteiner porto do pecém
Legenda: Complicadores da cadeia logística não se restringem ao cenário local, mas também de todo o mundo
Foto: Kid Junior

Apesar das boas projeções para o encerramento de 2021 em movimentação de cargas no Porto do Pecém - deve superar 20 milhões de toneladas, quebrando o recorde de 2019 -, o desenho que se tem para o transporte marítimo no próximo ano ainda não é tão nítido, já que problemas como o alto custo do frete e a falta de contêineres não devem se dissipar tão facilmente.

O tema foi um dos pontos abordados durante a 16ª da Feira Internacional de Logística - Expolog 2021, realizada em formato híbrido com transmissão online diretamente do Centro de Eventos do Ceará, em Fortaleza.

De acordo com a avaliação do gerente comercial da Tecer Terminais Portuários, Carlos Alberto Nunes, o alto custo do frete e a falta de contêineres - problemáticas mundiais que estão entre os principais gargalos para o restabelecimento pleno do transporte marítimo após o início da pandemia - são questões que podem levar de um ano e meio a dois anos até uma normalização.

"É provável. É uma lei de mercado, oferta e demanda. O transportador marítimo acaba tendo que fazer escolhas e isso é regido pelas leis de mercado. Com a oferta diminuta e a demanda grande, há uma tendência que isso perdure"
Carlos Alberto Nunes
Gerente Comercial da Tecer Terminais Portuários

A diretora institucional do Complexo do Pecém, Rebeca Oliveira, reforça que esses complicadores da cadeia logística não se restringem ao cenário local, mas se tratam de problemas observados em todo o mundo.

"Não tem a ver com os portos, mas com as linhas de navegação, porque a demanda por determinados produtos para determinados países aumentou. São países que não tinham o costume de receber contêineres e eles acabam ficando presos nesses países por não terem a tradição de exportadores", detalha Rebeca.

De acordo com ela, o Complexo, juntamente com os armadores, buscam soluções para amenizar a situação.

"Investimentos em novos equipamentos para o ano que vem, busca de novas parcerias com granéis sólidos", pontua, destacando o impacto positivo da retomada do transbordo de combustíveis no Pecém para a movimentação de 2021. "Nós estamos buscando novas parcerias, novos clientes para continuar nesse crescimento".

Pequenos são mais prejudicados

Ela avalia que a falta de disponibilidade de contêineres e aumento do frete geram preocupação porque atrapalham o mercado e prejudicam principalmente os pequenos importadores e exportadores.

"Isso prejudica principalmente quem é pequeno, quem precisava daquele contêiner por semana para se manter no mercado. E a gente está tentando solucionar da melhor forma, vendo com os clientes os contratos operacionais, prazos. É uma coisa mundial, mas o que pode ser feito localmente nós estamos fazendo", diz.

Movimentação recorde

O ano de 2021 será de movimentação recorde no Porto do Pecém, superando a marca de 18 milhões de toneladas movimentadas pelo equipamento em 2019. Rebeca cita que felizmente muitos processos não pararam em 2021 e ressaltou a movimentação de equipamentos eólicos, além da importância do trabalho de mostrar o Porto do Pecém aos clientes.

"O importante é que a gente não parou e quando o mundo voltou a girar, estávamos lá aguardando", diz Rebeca.

Carlos Alberto Nunes, da Tecer Terminais Portuários, também frisou que o porto tem conseguido atender vários segmentos da indústria, ampliando sua área de abrangência.

"Para o Pecém, a pandemia trouxe uma janela de oportunidades para atender mercados que antes ele não alcançava, como intensificar a participação nos granitos e entrar mais no mercado de fertilizantes".

Quero receber conteúdos exclusivos sobre negócios

Assuntos Relacionados