Caso Klara Castanho: Conselho de Enfermagem vistoria hospital acusado de vazar informações

A instituição aguarda liberação de documentos internos para prosseguir com a apuração e identificação dos envolvidos

Escrito por Redação,

Zoeira
Klara Castanho
Legenda: O Estado da Criança e do Adolescente (ECA) prevê legalmente a entrega voluntária de crianças para a adoção
Foto: reprodução/redes sociais

O hospital acusado de vazar informações pessoais sobre a atriz Klara Castanho foi vistoriado pelo Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo nessa segunda-feira (27), dias após a gravidez resultante de estupro ser divulgada. A instituição disse nesta terça-feira (28) que aguarda liberação de documentos internos para prosseguir com a apuração e identificação dos envolvidos. 

O Conselho Federal também está envolvido. Klara teve informações sobre a entrega do bebê, fruto da violência sexual, à adoção divulgada em veículos de imprensa e colunistas. As informações são do G1.

Em entrevista à GloboNews nessa segunda, a presidente do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), Betânia Maria dos Santos, informou que a enfermeira que ameaçou vazar os dados de Klara pode perder o registro profissional. A atriz de 21 anos contou, em carta aberta, que a mulher chegou a levantar a possibilidade de enviar informações para "um colunista". 

Em nota, o Cofen disse que "tomará todas as providências que lhe couber para a identificação dos responsáveis pelo vazamento de informações sigilosas pertinentes ao caso".

Após o nascimento da criança, Klara recebeu mensagens de um colunista perguntando detalhes sobre sua situação. Na época nada foi publicado. No dia 24 de maio, Matheus Baldi fez uma publicação depois apagou. Ele e desculpou com a artista e os familiares.

Leo Dias, colunista do portal Metrópoles, após a carta aberta da atriz, acabou publicando uma matéria detalhando o caso, que depois foi apagada e motivou um pedido de desculpas.