Bumba meu boi do Mestre Ciro, no Pirambu, busca doações por meio de campanha virtual

Investimento pode ser feito em troca de créditos no documentário sobre o Boi Juventude

Boi Juventude
Legenda: O Boi Juventude teve sua história contada no documentário "Mestre Ciro"
Foto: Wesley Farpa

Já tem quase 20 anos que os personagens do Boi Juventude ajudam a escrever a história cultural do bairro Pirambu, em Fortaleza. Coordenado por Mestre Ciro, 62, o projeto familiar, que logo se estendeu a toda a comunidade, realizou a primeira apresentação oficial em junho de 2001. De lá para cá, com muito esforço, crianças e jovens da periferia viram suas vidas transformadas, mas, com a pandemia, o desafio de manter o grupo aumentou.

“Quebrou as pernas de todo mundo. O que mais a gente precisa é de ajuda, com toda sinceridade, para comprar vestes, um som novo, e investir nas atividades”, partilha o Mestre, lamentando também a paralisação dos ensaios e eventos desde o ano passado, devido ao contexto sanitário.

Mestre Ciro
Legenda: Mestre Ciro é brincante de Bumba meu boi desde 1967
Foto: Wesley Farpa

A falta de dinheiro para a manutenção do Boi Juventude impactou ainda no desgaste de equipamentos, a exemplo de computadores, que serviam aos participantes do grupo. As sopas e festinhas de aniversários realizadas para os integrantes do projeto também foram suspensas.

“Quem já é mestre com certificado na mão, ganha salário para ajudar, mas eu não recebo, só mesmo cachê”, aponta o coordenador do Bumba meu boi do Pirambu em referência à política pública estadual dos Tesouros Vivos do Ceará.

Documentário e apoio

Diante das dificuldades intensificadas nesse período, Mestre Ciro vem recebendo o auxílio da equipe do documentário que leva seu nome, produzido em 2019. Dirigido por Wesley Farpa, o filme, que revela detalhes da encantadora – porém difícil - missão da produção do Boi Juventude, terá os créditos reeditados para incluir apoiadores que se sentirem sensibilizados com a situação atual do grupo.

As doações de R$10 a R$ 100 via PIX serão direcionadas a manutenção do Bumba meu boi do Pirambu.

Primeiro que Mestre Ciro já era para ter o título de oficial de Mestre da Cultura, dado pela Secult do Estado. O nome do filme é uma justa provocação a estrutura oficial da cultura para que eles façam logo sua qualificação e ele começe a ganhar apoio direto para continuar fazendo o que ele já fez, quase sem auxílio”, evidencia Wesley.

O filmaker começou a ouvir falar de Mestre Ciro em 2014, mas a possibilidade de conhecê-lo pessoalmente veio apenas em 2019. “A Thalyta Vale me chamou para ajudar em uma cobertura da Matança do Boi em 2019. Ela queria deixar um retorno para o grupo pela colaboração em sua pesquisa chamada ‘O Bumba Meu Boi na Fortaleza Contemporânea’”, lembra.

“Uma energia muito boa, de cuidados com todos, foi o que senti dele e da dona Lurdes, sua esposa, e sem ela nada acontecia. Sobre as gravações, ele nos deixou bem livres para dar nosso olhar para a captação da festa, e dirigir o vídeo”, explica Wesley, que nesse processo contou com a parceria de Leo Silva.

Após a campanha de arrecadações para o Boi Juventude, eles pretendem realizar um novo lançamento do documentário, com data ainda a ser definida.

História

A ideia do documentário, segundo Wesley, é que as pessoas conheçam o Bumba meu boi mais por dentro, pela visão de alguém que vive essa cultura. “O filme tem mais sobre a festa por Mestre Ciro do que sua história de vida – isso aí já daria um outro filme”, projeta.

Mestre Ciro
Legenda: Além do Boi Juventude, Mestre Ciro já atuou e coordenou os grupos de Bumba meu boi Fortaleza, Terra e Mar, Tyrol, Reis de Ouro e Mina de Ouro
Foto: Wesley Farpa

E é verdade. Em poucos minutos de conversa por telefone, Mestre Ciro descortina um mundo que ele começou a desbravar aos 8 anos de idade, com a ajuda do pai e do avô, e que depois buscou transmitir à esposa e aos filhos (as), genros, noras e netos (as).

Já brinquei em mais de 15 bois até fundar o Boi Juventude. Quando a gente começou, éramos 60 brincantes, hoje somos 34, incluindo a família e o pessoal da comunidade”, explica o Mestre. 

Boi Juventude
Legenda: Atualmente, o Boi Juventude conta com 34 integrantes. Na foto, registro pré-pandemia
Foto: Wesley Farpa

Além dos seis filhos dele, pelo menos 10 dos 21 netos entraram na brincadeira. A faixa etária dos participantes do bairro varia de 2 a 60 anos de idade.

“Tradição não é para ficar só em família”, finaliza Mestre Ciro, certo de que o Boi Juventude terá vida longa e de que a ajuda para esse sonho se tornar realidade não faltará.

Como apoiar

Ajuda ao Boi Juventude, do Mestre Ciro
PIX: bibliotecaadianto@gmail.com 
Por R$ 100,00 – A Marca da sua empresa vai nos agradecimentos. 
Por R$ 50,00 – O nome da sua empresa vais nos agradecimentos.
Por R$ 20,00 – O seu nome nos agradecimentos.
Por R$ 10,00 - Agradecemos com um forte abraço virtual. 
Obs: Enviar para o direct da @bibliotecaadianto ou do @wesleyfarpa os comprovantes de depósitos para a viabilização das recompensas.   

Você tem interesse em receber mais conteúdo de entretenimento?